A Cláudia Mecânica: Drive

Sou a Cláudia. Gosto de música, gosto de cinema, gosto de escrever meia dúzia de parvoíces, e este foi o dia em que decidi que ia encher as vossas quartas feiras com meia dúzia de linhas sobre filmes e respectivas bandas sonoras. Só tenho de vos prevenir que não me responsabilizo pelos spoilers!

Não vou começar pelo óbvio, puxando o nome da rubrica e inaugurando a minha participação com a Laranja Mecânica (apesar de ser o favorito também… mas isso fica para outro dia). Vou começar por um que vi mais recentemente e que me deixou, no mínimo, obcecada. Falo do Drive (e sim, estou a excluir o factor Ryan Gosling, apesar de ser um bom bife). Andei semanas a fio com a banda sonora em loop: no carro, no mp3, no trabalho, em todo o lado. Sem exagero.

O Winding Refn resolveu lançar o desafio da composição a Cliff Martinez, antigo baterista de Red Hot Chili Peppers, após ter ouvido o trabalho que fez para a banda sonora do Sex, Lies and Videotape. Disse-lhe que queria algo electrónico, a la 80s, muito focada num herói. E ele assim o fez. Compôs uma série de temas que ouvimos durante o filme enquanto acompanhamos o Driver (nunca chegamos a saber o verdadeiro nome do nosso herói) nas mil peripécias por que passa no filme: seja a esmagar o crânio dos maus contra uma parede, seja no flirt com a vizinha do lado.

No entanto, apesar de serem boas, não é nestas músicas que quero falar hoje. Prefiro, de longe, aquelas que Refn foi buscar a outros projectos que já existiam. Alguns bem lhe podem agradecer a projecção que conseguiram com isto…
Citando algumas:

Kavinsky – Nightcall:
É a música que entra com o genérico e encaixa perfeitamente no brief que Refn passou a Martinez, portanto a escolha foi mais que apropriada. Em conjunto com o tratamento da imagem, o tipo de letra escolhido para apresentar o cast, etc, remete-nos para todo aquele ambiente anos 80 de que sou particularmente fã. Durante estes minutos, pouco mais vemos do que o nosso Driver a conduzir pelas ruas à noite, mas é o suficiente para nos colar à cadeira desde o primeiro instante.
A música já tinha saído num EP do músico francês em 2010. Foi produzida pelo Guy-Manuel de Homem-Christo dos Daft Punk e a voz feminina que ouvimos é da Lovefoxxx (Cansei de Ser Sexy)

Desire – Under Your Spell:
Continuamos nos caminhos electrónicos, desta vez entrando pelo mundo do synthpop com os canadianos Desire e uma música que já tinha saído no disco que lançaram em 2009.
Este tema acompanha o início da famosa cena do elevador que fez contorcer vários estômagos desprevenidos nas salas de cinema por esse mundo fora. Antes do Driver começar a espancar o outro senhor como se não houvesse amanhã, agarra na tal vizinha do lado dos flirts que falei acima, para lhe arrancar o tão aguardado beijo. Nada melhor do que algum romantismo para acompanhar o momento que, antes dos estômagos apertarem, arrancou com certeza muitos suspiros.

College ft. Electric Youth – Real Hero:
A música mais menina das músicas todas do filme, que acompanha a vizinha do lado melancólica e de coração partido, o Driver pensativo e de coração despedaçado também, cada um para seu lado. É a faixa que foi introduzida para tentar arrancar algumas lágrimas. Não estou a dizer isto em tom pejorativo, muito pelo contrário! Como boa menina que me prezo, gosto muito deste tema, tenho de confessar.

Chromatics – Tick of the Clock:
Last but not the least. Esta tinha de incluir, não por estar presente em alguma cena especialmente marcante ou inesquecível, mas porque graças ao Drive consegui conhecer Chromatics, banda de que me tornei fã. Para não fugir ao resto, também navegam pelos caminhos da electrónica e o disco onde esta música está incluída, “Night Drive”, já saiu em 2007, mas vale a pena. Mas mais a pena ainda vale o recém-lançado “Kill For Love”, que promete dar que falar nos próximos tempos.

Concluindo, se ainda não viram o Drive, aconselho-vos que o façam o mais depressa possível. Não sendo o melhor filme de sempre, entretém e tem apontamentos bem interessantes.

Comentários

Comentar
  1. Beto

    A música mais menina? É a minha preferida <3

    Bem vinda Claudia ;)

  2. naSum

    Same here. Música + menina ftw xD. Bom post. E para mim está no top dos melhores filmes de sempre :)

  3. Tiago Esteves

    A banda sonora a par do filme é das melhores coisas que ouvi/vi em largo tempo. Chega a parecer que foram temas composto para as imagens que vão acompanhando o som. Incrível.

  4. Ricardo Proença

    Bom filme. Tem um timing desconcertante – durante a maior parte do filme tem um ritmo e uma filmagem de quase estarmos a ver um sonho e depois tem aqueles momentos brutais de violência. Parecia que estava a ver um filme do Tarantino. Tem também uma muito boa fotografia e qualidade da imagem – se possível recomendo que vejam em HD.

    Quanto à música, essas são de facto as canções que ficam na memória. Sobretudo a “Under your spell” que se pega ao ouvido que é uma coisa doida.

  5. Nuno Teixeira

    O Drive é, realmente, um belo filme! No top das minhas bandas sonoras favoritas, está o belo trabalho de Clint Mansell em “The Fountain” (2006). Para quem ainda não viu/ouviu, aconselho!