A Música e o Futuro III


Este vídeo, apresentado nos finais de Setembro pelo peso pesado da música Justin Timberlake, parece prometermo-nos à partida um site completamente novo e a promessa de uma comunidade construída para os fãs de música. Não parece querer ser uma alternativa ao Facebook (o Google já tentou e perdeu essa batalha), mas um complemento ou uma comunidade para um nicho.

Para trás fica o UI claramente inspirado no Facebook – se bem que mais confuso e demasiado agressivo – e o que surge é um UI e um design bem mais limpo e simples. Apelativo até.

Tudo muito bonito mas será que será suficiente?

A grande questão é se ainda haverá espaço e receptividade para (mais) uma rede social que claramente já teve o seu auge e se, e talvez seja o ponto mais pertinente para muitos de nós, pode oferecer realmente algo novo a músicos e fãs de música. Ou pelo menos voltar a ser um site de descoberta de novos projectos, como foi em tempos. Porque o Myspace, apesar da componente de rede social, sempre foi mais que isso. Era um site onde havia uma comunicação directa com músicos, promotores e fãs e onde havia um catalogo imenso de música para ouvir. E enquanto o seu lado rede social claramente falhou, o Myspace enquanto comunidade musical, penso que ainda poderá fazer algo por nós.

O facto de ser possível fazer login com uma conta de Facebook e/ou Twitter e partilhar conteúdo de uma rede social para outra parece sugerir que quem está por detrás deste novo Myspace percebe que seria quase impossível voltar a ter a influência e o número de utilizadores do passado. Logo o lado rede social, apesar de ainda existir, parece ter deixado de ser o foco principal. Resta-nos a música. O que poderá este novo Myspace então oferecer?

A verdade é neste momento não existe um site de referência para músicos poderem divulgar o seu trabalho e poderem interagir com os seus fãs. O mais perto é o Facebook. Facebook esse que não tem esse propósito e apenas o atingiu esse estatuto pela quantidade de utilizadores que têm, e não por ser uma rede social minimamente pensada para músicos ou para música no geral. Prova disso é que para partilha de música, é dependente de aplicações e/ou de sites externos. E apesar de haver uma série de sites onde os músicos podem colocar o seu material online – Soundcloud, Bandcamp, Spotify, Grooveshark, entre outros – não existe actualmente um site que aglomere grandes nomes, pequenas bandas e que funcione tão bem como o Myspace em tempos funcionou.

Agora a pergunta que deixo é se estamos bem como estamos ou se um site como o “novo” Myspace promete ser ainda pode ser algo que seja uma mais valia. Será apenas saudosismo daquela plataforma e do que nos ofereceu ou se realmente falta um site que aglomere um catalogo de musica vasto com uma comunidade tão forte com o Myspace teve em tempos. E se sim, se as pessoas estarão dispostas sair do Facebook (ou a passar lá menos tempo) e re-descobrir o Myspace.

Hoje mais que uma reflexão que vos deixo e perguntas. Gostava que ajudassem também a “fazer” este texto. Será o novo Myspace muito estilo e pouca substância? Valerá a pena renascer o Myspace ou está morto e obsoleto?

Eu por sim por não inscrevi-me para ser dos primeiros a receber um convite. E vocês?

Comentários

Comentar