A Nossa Necessidade de Poemas é Impossível de Satisfazer

afinal a angústia não cessou com o fim da adolescência,
a desorientação tornou-se regra e os objectivos
foram caindo na areia beijada pelas ondas e o vento

as horas são passadas a tentar travar a sua passagem
como se estivesse sempre presente a voz do personagem que repete
“esta é a tua vida, e está a acabar, um minuto de cada vez”
a percepção do tempo mudou e com ela
a percepção da esperança, da justiça.

a monotonia diária que estilhaça a vontade e abre
subrepticiamente a porta à loucura,
é uma máquina cuja cadência esmaga a fúria

restam seres isolados em casulos vivendo
ilusórias vidas de ecrã rodeados de
nomes fictícios

consideramos arte a mancha escarlate
que corre da intervenção da lâmina
no nosso pulso

rendidos à apatia de um não-futuro,
uma não-vida num não-tempo
profundamente sós.

 

 

originalmente publicado em http://asvozesdoabismo.blogspot.pt/2009_08_01_archive.html

Comentários

Comentar