A rodar…

Aidan Baker – The Sea Swells a Bit (2006)
Desconhecia o trabalho deste Senhor até ouvir os Nadja. Procurei, investiguei e agora começo a ficar rendido com os seus álbuns a solo. Neste caso trata-se de três músicas com cerca de 20 minutos cada, e para dizer a verdade, ao fim da primeira já estamos completamente mergulhados no mundo de Aidan Baker. Perfeito.

Battles – Mirrored (2007)
Adorei os Eps mas este primeiro álbum não está a ser fácil e ainda não lhe dei tempo suficiente. No entanto, já deu para perceber que o trabalho do baterista é simplesmente notável.

Biffy Clyro – Saturday Superhouse Single (2007)
Acompanho os Biffy desde a adolescência. É daquelas bandas que se fosse hoje nem sequer ouviria mas como os descobri há muitos anos tenho sempre curiosidade em ouvir o que eles fazem. Este é mais um single com um refrão orelhudo muito ao estilo deles. Venha o álbum.Drawing Voices – Drawing Voices (2007)
Projecto interessante de Craig Dongoski com a colaboração exaustiva de Aaron Turner (Isis) que mais parece uma experiência científica. Descrevem online como “an approach to drawing and art making by using technology as a means to develop new models to produce art by” e é, sem dúvida, um desafio que nos leva a pensar no que é a música nos dias de hoje. Para mim, já é um dos melhores do ano. Earth – Hibernaculum (2007)
Eu já gostava deles, mas desde aquela noite na Casa da Música que me tornei fã. Este novo álbum consiste em três músicas antigas re-gravadas de uma perspectiva mais limpa e transparente e ainda a faixa “A Plague of Angels” que apenas constava num split de 12″ com os Sunn 0))). Os Earth continuam na estrada de “Hex…”, ou seja, mais precisos e concentrados mas aquele ambiente pesado e característico dos grandes pioneiros deste movimento continua presente. Este trabalho vem acompanhado com um dvd composto por material da última tour europeia gravado pelo Seldon Hunt. Sem dúvida, um disco para a colecção. Glenn Jones – Against Which the Sea Continually Beats (2007)
Glenn Jones (esse mesmo dos Culd de Sac) regressa com o seu segundo álbum a solo e é impossível não ficar deliciado. Pensem na escola Takoma, pensen John Fahey (eles foram amigos durante 25 anos), Robbie Basho, Jack Rose e dá para ter uma ideia do excelente que este disco é. Mais um para o carrinho de compras.Nadja – Base Fluid single (2007)
É possível sacar este single legalmente aqui:

http://www.basefluid.foreshadow.pl/
O que não é possível e permitido é deixar escapar esta banda dos nossos horizontes musicais. A primeira faixa – Base Fluid – fará parte do novo “Corrasion” que sairá em Maio pela Foreshadow e a segunda – Numb – é um inédito. Tudo farei para ver esta dupla Aidan Baker e Leah Buckareff no Porto. Veremos… The Evens – Get Evens (2006)
Ian Mackaye dispensa apresentações, certo? Com os Fugazi num hiatus indefinido, Ian juntou-se a Amy Farina e com ela fez faísca. Confesso que desconheço o primeiro álbum mas este é tão fresco, crú… a quimica entre eles parece ser tão intuitiva. Se calhar era disto que Ian estava a precisar: uma banda sem qualquer pressão, uma banda em que os próprios membros fazem tudo, uma banda em que nos concertos ele próprio tem que pedir às pessoas para se aproximarem. Não vem substituir os Fugazi (que afirmação desnecessária) mas é bom ter o Ian a fazer música, isso é.

Comentários

Comentar
  1. Crestfall

    A única coisa daí que já ouvi foi Battles, e gostei. Gostei do ritmo up.-tempo. Como disseste, a bateria tá lá!

    O de Drawing Voices é mesmo bom? Ou isso é influência Turnerica? :-D

    Earth ainda está à espera.

  2. ::Andre::

    Não celtic, eu disse foi que vou tentar na devida altura ;)
    65daysofstatic? Mmmmm, a julgar pelo single não sei…

    Crest, Battles precisa de mais tempo para estes lados…
    Não baixo as calças só porque o Aaron entra. Aliás, nem sei que partes pertencem a cada um. Mas sim, gostei e acho-o um desafio. Ao mesmo tempo não é para mentes preguiçosas…
    Earth tá muito bom, tenho que o comprar com o dvdzinho.

    Merda, não tenho mais maltesers…

  3. eduardo

    Que bem me soube ouvir o dos Battles. Há muito que não ouvia um disco math-post-rock com esta qualidade.

    Lí no Pitchfork vai par algum tempo que os Oxes iriam voltar à carga. Até ver, nada. Sabem de alguma coisa? e já agora conhecem e/ou curtem?

  4. Crestfall

    >Maltesers? Há aqui na máquina, queres?

    Oxes só de nome. Nunca ouvi nada :-\

  5. ::Andre::

    Edu, também não sou o maior conhecedor de Oxes… que andamos a perder?

    Stereobate tá muito porreiro, mal possa deixo aqui umas linhas.

  6. eduardo

    Então tratem de ouvir Oxes. É do melhor math-rock à face da terra e salvo erro foram produzidos pelo Albini.Brutais!!!!