A rodar…

Balboa + Rosetta – Split (2007)
Os Rosetta são uma banda de post-metal interessante. Não são das melhores, a voz por vezes irrita-me mas as duas faixas que emprestam a este split são porreiras. Já os Balboa são a banda mais horrível que ouvi nos últimos tempos. Conseguem enganar durante os primeiros riffs da primeira música mas depois…

Black Rebel Motorcycle Club – Baby 81 (2007)
Paredes de Coura, 19 de Agosto de 2004. Fui sobretudo para ver Mark Lanegan e saí de lá apaixonado por estes gajos. Que concertaço debaixo de chuva…
Depois do acústico Howl que demonstrou a flexibilidade destes tipos em fazer o que lhes dá na cabeça sem perder a qualidade, este Baby 81 é um regresso à veia mais roqueira do grupo. Talvez não seja tão bom como os dois primeiros, talvez. Talvez este álbum tenha duas ou três músicas a mais, talvez. Mas mesmo assim, o rock & roll está de volta. E alguém ainda se lembra daquele rock revival de 2000/2001? Pois, ao fim de 7 anos esta é a única banda capaz de rockar…

Boris & Merzbow – Walrus & Groon EP (2007)
Os Boris, provavelmente a minha banda japonesa preferida, são uns irrequietos. Acho que nem eles devem ter a noção do tamanho da discografia deles. Desta vez repetiram a colaboração com o também japonês Merzbow (o gajo que edita sempre o mesmo disco). O resultado é uma cover dos Beatles “I Am the Walrus” e uma barulhenta “Groon”. Coisa para fás, portanto. E a julgar pelo que já vi, o artwork é delicioso.



Electrelane – No Calls, No Shouts (2007)
A carreira destas meninas podia-se separar em A.A. (Antes de Axes) e D.A. (Depois de Axes) pois esse maravilhoso álbum foi um marco do ano de 2005. O primeiro D.A. não seria então tarefa fácil mas… Faltam uns riffs, falta-lhe algo de épico, algo mesmo marcante, tem uns coros a mais mas é um “grower” e quanto mais se ouve melhor. Prefiro-as mais experimentais e menos pop mas a verdade verdade é que eu não as consigo julgar álbum a álbum, gosto delas e pronto. Já vinham cá…

Neurosis – Given To The Rising (2007)
Pais e Senhores de um género que muito me agrada, os ENORMES Neurosis regressam com mais um EXCELENTE álbum. Poderoso, coeso, pesado… quase perfeito. Não esquecer a mão de Steve Albini, o mérito também é dele (ninguém grava baterias assim!!).
Jorge/ Pedro, fico à espera de uma review mais aprofundada e merecida oo/

Rob Crow – Living well (2007)
Rob Crow andava numa fona entre os Pinback e os The Ladies e decidiu abrandar com este seu terceiro álbum a solo. Passou mais tempo em casa, foi pai e este Living Well é um reflexo de toda essa mudança. Bem disposto, riffs simpáticos, canções primaveris, esta nova edição da Temporary Residence está a ser uma surpresa muito agradável.

Comentários

Comentar
  1. Crestfall

    Ainda não ouvi o Split de Balboa e Rosetta, mas o álbum de rosetta é muito bom, bem como a voz!

    BRMC passo à frente, Neurosis estou a tentar não ouvir, nem sei bem porquê, mas são tantas as coisas que para aqui tenho que quando esse disco entrar em rotação o resto vai-se evaporar… E Rob Crow tem uma capa muito gira :-s

  2. Pedro

    Gosto destes posts… Balboa e Rosetta não conheço. BRMC lembro-me do primeiro disco ter um arranque poderoso com grandes rockalhadas, depois disso nunca mais segui o rasto dos gajos… vai ser desta. Quanto aos Boris são de facto das melhores bandas do momento e ainda vão dar uma tareia aos Acid Mothers Temple no que diz respeito a consecutivos lançamentos…. Já o Merzbow é um um facto de que grande parte da sua discografia é insípida, ruídos brancos que não provocam mais que repulsa, mas por outro lado existem alguns discos que merecem ser descobertos, talvez começando pelas várias colaborações que o homem foi fazendo… (e não, ele não grava sempre o mesmo disco). Gosto muito das Electrelane todos os álbuns delas são porreiros mas ainda não ouvi o novo. Neurosis é o que sabe, são os maiores e este disco é só mais um manifesto para ninguém lhes roubar o trono.

  3. ::Andre::

    Pois, no sábado puseste a tocar lá na loja eheh ;)

    Pedro, estava a ser irónico em relação a Merzbow mas, apesar de o respeitar como músico, aquilo soa-me sempre igual e chega-me até a mexer com os nervos :P

    Crest, quando é que vais ouvir Neurosis pá??

  4. Crestfall

    Eu não tenho pachorra para Merzbow.

    Neurosis só quando vier de férias.

  5. ::Andre::

    Mais vale resistires e ouvires só quando sair. Por falar nisso, quando sai? 5 de Maio não é?

  6. Pedro

    Em certa parte concordo contigo André… O movimento noise actual está mais sobre o estatuto de hype do que outra coisa. A net veio ajudar a difundir aquelas edições limitadas muito usais nos artistas noise, não é só o Merzbow que tem uma discografia enorme, lançando sempre vários discos por ano. Hoje em dia é muito fácil colocar um disco cá fora nem que seja por uma netlabel. Bandas destas acumulam horas de jam-sessions, vão juntando amigos e depois ficam com material para dezenas de edições(ahah). Alguém que acompanhe a actividade do Merzbow realmente deve ser uma pessoa estranha(just kidding). Estranho, ou não, já surgem é bandas como os Jazzkammer, Wolf Eyes, Yellow Swans em grandes festivais…

  7. ::Andre::

    Pode ser estranho mas não deixa de ser louvável…