Adrian Klumpes é provavelmente um dos nomes mais interessantes na cena experimental/improvisação/modern classic/jazz que encontrei. Músico que integrou 2 colectivos de jazz Australianos Triosk e 3ofmilions (jazz/electronic/ambient), tem a solo uma obra baseada em piano e noise/electronic surpreendente. “Be Still” de 2006 é um trabalho intimista e perturbador ao mesmo tempo, deixa aquela sensação que passou-nos algo ao lado e que teremos necessariamente que repetir.

Se tiverem algum tempo livre vejam/ouçam um concerto integral no Factory Theatre, Sidney de 4 de Junho 2008.

O ano passado editou o “In bed we trust” com Shoeb Ahmad, um dos ábuns do ano, que recomendo vivamente, e que passou absurdamente despercebido. Música com imenso noise subliminar (não intrusivo) com um piano seco e minimalista. Pode ser comprado directamente ao Shoeb Ahmad na HelloSquareRecordings.

Klumpes é um músico com várias ramificações e colaborações (tem duas improvisações manipuladas por Machinefabriek e Tomasz Bednarczyk entre outros), e a maioria dos seus trabalhos não são fáceis de encontrar, mas faz parte do encanto da descoberta deste músico.

TRIOSK
O projecto de Jazz experimental Triosk é provavelmente o mais acessível do universo Klumpes, e não podia ficar fora deste tópico. Não tive a felicidade de os ver ao vivo no ZDB quando estiveram em Lisboa em 2007 e arrumaram as botas nesse mesmo ano e originaram os mais “peculiares” Pivot.