Amores recentes I

Há pouca coisa melhor do que descobrir música nova que me deixe verdadeiramente entusiasmada. Nem sempre o click com determinada banda/álbum é imediato, mas no caso de Wolvserpent foi amor à primeira audição.

Tinham-me recomendado Wolvserpent ainda em 2010, mas, com tanta música para ouvir, acabou por ficar em standby e só em maio é que ouvi o Blood Seed (dá para ouvir em stream), o quarto e mais recente LP da banda (o primeiro usando o moniker Wolvserpent – antes eram Pussygutt). E que álbum! Duas faixas, 40 minutos de uma atmosfera negra e desoladora, isto é doom de qualidade. É um álbum perfeito para uma pessoa se deixar envolver de olhos fechados, mas não se deixem enganar pela beleza e calma inicial: cedo o pescoço vai começar a querer movimentar-se. O disco ganha bastante peso (ainda mais ao vivo), mas o ambiente geral nunca se perde, dando à música uma dimensão quase…cinematográfica?, com a presença constante de uivos, vozes/berros animalescos e coros a ajudar.

Embora tenham uma preferência pelo vinyl, o álbum foi reeditado em junho passado em conjunto com o LP anterior (Gathering Strengths).

Entretanto ouvi os álbuns antigos e não desiludiram. Por exemplo, bem mais drone doom que o Blood Seed, She Hid Behind Her Veil…, de 2008, é tão ou mais hipnotizante, com a única faixa que compõe o álbum de 47 minutos a desenvolver-se sempre num compasso arrastado.

Fica aqui um vídeo com boa qualidade da primeira música do Blood Seed ao vivo:

A gata do doom inspecciona e aprova as compras:

Wolvserpent – Gathering Strenghts/Blood Seed e Pussygutt – She Hid Behind Her Veil…

Comentários

Comentar
  1. Filipe Santos

    Boa descrição Susana, vou ouvir. Seria fantástica a presença deles em Portugal, juntamente com aquela banda que todos sabemos…