Amplifest 2012: bilhetes já disponíveis no Porto

O IVA aumentou mais de 100%, a SPA também já o cobra, tudo aumentou inclusive o número de dias e a qualidade do evento (ainda só conhecem GY!BE, mas fica a promessa). Tudo menos o preço.

Os bilhetes para a segunda edição do nosso Amplifest que terá lugar a 26 de Outubro no Passos Manuel* e a 27 e 28 em ambas as salas e mainfloor do Hard Club já estão disponíveis no Hard Club, Jojo’s/ Cdgo.com, Louie Louie, Piranha e Matéria Prima pelo valor de 50€ até 31 de Agosto. Após essa data, os passes valem 60€.

*sujeito à lotação do espaço

Nos próximos dias estarão à venda online e em Lisboa (nós avisamos), anunciaremos mais bandas, packs que incluem alojamento e outros mimos.

Nota: tal como no ano passado, o passe é o único tipo de bilhete existente no Amplifest. E sim, o bilhete é dos bonitos como todos nós gostamos.

Vai esgotar… É convosco.

Comentários

Comentar
  1. Explorado

    Chulos!

    Deviam ter vergonha, só passes gerais????

    Uma pessoam até louva as iniciativas no Porto, fora de Lisboa. Mas com organização destas, só mostram que não têm nível para fazer o que fazem.
    Gostava de saber se os Godspeed sabem que metade dos bilhetes vendidos para eles são a esse preço…

  2. Joao

    Que raio de comentário aqui em cima lol Há vários tipos de bilhetes para GY!BE?

  3. André

    Caro Explorado,

    Os Godspeed não só sabem o valor do bilhete como estão super entusiasmados em fazer parte deste evento cuja organização ninguém obriga a fazer parte. De qualquer maneira, obrigado pelo teu feedback.

  4. arreburro

    Ponham mas é os bilhetes à venda em Lisboa, que estes dejá-vus do ano passado dão-me azia.

    Por falar em dejá-vus, que bem me sabia que os Enablers lá estivessem outra vez.

  5. Nuno

    explorado: não deves ser deste mundo.. só percebo teu comentárioo ( e msemo assim com muito esfrorço!!) se não foste ao Amplifest do ano passado. Um grande bem-haja! Mas não desesperes, o rock in rio está já aí à porta

  6. philtrips

    Os meus antecipados parabéns pela segunda edição deste festival que é único em Portugal e península ibérica. Não tenho a certeza se estarei por Portugal nessa época, mas sonho em marcar presença no Amplifest. O preço dos bilhetes é mais do que justo e o conceito de bilhetes gerais é o que proporciona toda a boa atmosfera ao festival. Quanto à temática do preço dos bilhetes, mais uma vez, as pessoas que se sentirem “exploradas” têm de tentar entender que o Amplifest não se trata somente de dois ou três noites sucessivas de concertos, mas sim de um conceito de festival que envolve diversos factores. Uma experiência.

  7. Mediosordo

    Será posible a compra online? Moita xente vai ir dende Galiza e estaría ben poder comprar a precio reducido (50€).

    Obrigado!

  8. Gonçalo

    Da excitação passei a desilusão.
    60€ para ir de Lisboa ao Porto para ver os Godspeed exclusivamente está fora de questão.
    Por muito que quisesse ir ai vê-los finalmente, assim não…

  9. jorge silva

    “60€ para ir de Lisboa ao Porto para ver os Godspeed exclusivamente”?! Mas quê? O Amplifest só vai ter um grupo este ano?! Ou já partes do princípio que nada mais te interessa?!
    Neste país ou não se faz ou se critica por se fazer! Uma ideia: que tal organizar um festival de três dias com bilhetes a 5€, ou menos, e depois não se pagar às bandas nem a ninguém e deixar toda a gente contente com o “nível” da organização?

  10. ty

    Não vão ser só os GY!BE a tocar, e só são 60€ a partir de Setembro.

  11. Gonçalo

    Jorge, eu nao critiquei, apenas mostrei o meu desagrado. Pelo motivo que mencionas: 60€ para ir ver Godspeed. O resto nao sei se me interessa ou nao. Ja ha cartaz completo?! mas ja ha bilhetes!
    Ia de proposito ao Porto no domingo para ver os GYBE! e regressava no mesmo dia a Lx.
    Nem que o resto do cartaz tivesse a familia carreira em peso!
    Assim, tendo de pagar pra 3 dias e ir apenas 1, nao.
    Peço desculpa por mostrar o meu desagrado.

  12. Leio alguns comentários aqui e sinto que há por aí uma falta de Mundo.

    Este ano tive o enorme prazer de ir ao Roadburn, onde queria muito ver algumas das bandas do cartaz. Não conhecia metade, ou quase. Dei 200 euros e foi a melhor coisa que fiz. Também já tive oportunidade de ir ver GYBE em Barcelona – com os custos que isso implica.
    Aqui queixam-se de 50 euros, 25 euros por dia (sem contar sequer com a noite no Passos Manuel) por um porradão de bandas. Credo pá!

  13. André

    Um obrigado a todos pela opinião, um especial a quem veste a camisola e compreende o que isto é. Devia ser motivo de celebração e a verdade é que é: os GY!BE, os lendários GY!BE, a banda de pós-rock mais genuína de sempre, regressa a Portugal anos e anos depois. Vai ser histórico!

  14. André

    Como mencionado no post, bilhetes online muito em breve :)

  15. Hugo

    Perdi a pachorra por festivais, se fosse uma data isolada, no Passos, estaria com a ansiedade em alta. Sendo assim, sobra-me uma das datas europeias e, pelo meio, aproveito para conhecer uma nova cidade…

  16. Tiago Esteves

    André, mete isso em LX que vou já buscar 2..Ansioso para viver outra vez o único festival com ambiente familiar em Portugal. O único festival em que pago o bilhete e sei que vou realmente contribuir para uma coisa diferenciada e que quem o faz, tende a pensar nas pessoas que vão lá estar presentes e não apenas no dinheiro.

    Abraço

  17. Mónica

    As ideias visionárias sempre geraram controvérsia mas será que vai ser isto todos os anos? Porque é que será que não valorizamos o bom trabalho que é feito em nossa casa, em Portugal? O Amplifest não é apenas mais um festival, é “O” festival e só quem lá esteve me compreenderá. Aos restantes, damos mais uma oportunidade este ano e depois (sim, só depois) poderão falar no preço do bilhete. E deixemo-nos de ser mesquinhos e toca a apoiar o que de bom se faz por aqui…

  18. Tak

    Só atrasados mentais. O Porto é já ali, estúpido, e se o cartaz for metade do que foi o ano passado já vale a pena.
    Metam é os bilhetes à venda cá em baixo o mais rápido possível kktia.

  19. Eduardo Costa

    Eu paguei 45€ para ver Sleep, Melvins, Godflesh e Liturgy aqui em Paris. O Amplifest vai ter no minimo 10 vezes mais bandas, e quem sabe do trabalho da Amplificasom sabe que vai vir qualidade. 50€ até fim de Agosto por 3 dias de magia e sedução não é nada. Só vou ter pena por quem não puder mesmo ir, de resto queixem-se daquilo que vale realmente a pena, e não de quem trabalha bem.

  20. Güeirdorocks!!!!

    Penso que a xente e moi inxusta por ahi abaixo, eu fun o Amplifest do ano pasado, mais suelo visitar os concertos da amplificasom, e penso que o prezo do mellor festival da peninsula (con diferencia) é moi barato; despois do vivido o ano pasado, compraria o bilhete sen conhecer banda algunha, solo pela confianza nesa xente que se esforza en montar este tipo de eventos, acordaredes cando se agotem e deixen de facer estas iniciativas, sempre sucede igual. Dende Galiza os maximos apoios pra os AMPLIFICADORES GRANDES!!!!

  21. adriano

    Inacreditável acharem que 50€ por 3 dias por um festival destes ser caro. Mesmo só por GY!BE valeria o preço comparado com voar para outra cidade onde gastam pelo menos 3xmais.

    Aproveitem e conheçam o Porto e valorizem quem tenta fazer algo pela cena ;)

    Aguardem os outros nomes e depois flagelem-se sff ;)
    a,

  22. Joao

    pessoal a reclamar por reclamar… enfim. Há muito concerto por aí que eu também gostava de ver e não posso porque é caro. Mas daí a ir à página da promotora refilar wtf… A verdade é esta: ainda bem que o pessoal que só quer ir ver uma banda acaba por n ir por causa do “ai jesus n há bilhetes do dia”. Olha no Boom também não há, aquilo leva 30 000 pessoas, e os bilhetes são quase 200€. Roadburn é a mesma coisa… enfim. Festivais com ambiente a festival!

  23. Hugo

    “lol, querer godspeed no passos manuel”

    Se ao menos apresentasses uma razão…
    É uma das salas do evento, bem conhecida da amplificasom – já estive em vários concertos lá – e assim de repente ajudava a afugentar o falatório que se gera em concertos em pé. É por causa do espaço em contraste com o estatuto de culto dos GY!BE? Repara na contradição…
    Em 2002 actuaram no Paradise Garage, entretanto pararam e não editaram nada de novo. Foi o Coachella e o Pitchfork que te confundiu?

  24. naSum

    Vê-se por aqui cada comentário…só da para rir…Epá, minha gente não gostam ponham de lado. Acho que está toda a gente a cagar-se para isso. Certamente, a malta da amplificasom gosta de ver comentários para perceber o que pode sempre melhorar mas a partir do momento em que o festival tem um conceito, é para ser respeitado. O ano passado foi assim e este ano será igual e provavelmente nas próximas edições, caso as hajam (espero que sim :)) será igual. Agora antes de falarem tentem perceber os motivos para tal e dar valor ao que se faz. Mesmo que não gostem, paciência…mas p.f digam coisas com sentido! E não simplesmente…parvoíces…

  25. Pedro Nunes

    Este espaço tem-se mantido aberto à opinião de todos e isso é bom.

    Cada um baseia-se na sua experiência/conhecimento e isso também é relevante para eventualmente podermos transformar isso em aprendizagens e vias para melhorar o que tem sido feito até agora. Há no entanto que ter em conta que uma promotora que queira em Portugal assumir-se como entidade profissional e demarcar-se pelos seus próprios pés e boa vontade (sem apoios), só mesmo com muita persistência e ponderação naquilo que se aposta é que pode manter-se de pé (no texto em cima pode ler-se apenas uma face, existem mais, o IVA que aumentou, a SPA etc.). .

    Felizmente a resposta é manter-se a qualidade – com o esforço de todos aqueles que vêm aqui comentar e muitos outros.
    Infelizmente não pude estar presente na primeira edição do festival, mas estarei na deste ano.

    Falem sempre, ajudem e dêem o que puderem para se poder criar coisas novas. A Amplificasom tem-se mantido sempre receptiva a vários tipos de ajuda e colaboração de qualquer um… Força

  26. S.Quartin

    Fico à espera dos packs com alojamento :) (isto enquanto faço figas com todos os dedos para não ter avaliações e projectos para entregar nessa semana).

  27. Saturnia

    Os GYBE estiveram cá em 2003 e ninguém se queixou do preço dos bilhetes… para desiludidos com os preços sempre podem apanhar um avião e acompanhá-los numa cidade mais próxima.

    O Amplifest é um festival para melómanos e curiosos que abarca uma data de bandas e o preço se pensarmos bem acaba por ser quase simbólico. Várias pessoas se juntam para celebrar, de coração ou não, aquilo que ainda nos une: a música.

  28. Victor Lima

    Dou os parabéns à Amplificasom por trazer um conceito de festival que só havia lá fora e que tinhamos de gastar mais de 400 euros para termos acesso ao mesmo. Finalmente vou ter o meu Roadburn mesmo a 3 kms de minha casa e por um preço simbólico. Leio aqui opiniões que metem muita confusão. Dar 50 euros só para ver GY!BE? Eu dei 160 para ver Neurosis no Roadburn quando foram eles os curadores do festival e nem conhecia o resto das bandas. O que eu acho é que o que pagamos é muito mais do que o simples concerto e por isso, pelo menos para mim 50 euros é justíssimo.

  29. titio

    Que festival de idiotice que por aqui vai…

    Primeiro, os lisboetas aziados e ressabiados. Cambada de anormais… Por mim ficavam ali todos nas portagens da Feira só por causa das coisas. A necessidade de referir que são dessa terra miserável e o festival é no Porto… Parolos.

    Depois, vamos lá ver uma coisa: 50€ para ver SÓ GYBE é caro. Facto. 50€ para ver várias bandas é barato. Facto. Lá por vocês até darem 600€, uma prima e três televisões para verem GYBE, não quer dizer que toda a gente tenha que sofrer do mesmo problema mental… Obviamente que se querem ir ao Amplifest só para ver GYBE, 50€ é caro mas oh pá, é problema vosso. Quem quer dar, que dê, quem não quer não dê, mas não há pachorra para os “QUEIXAM-SE DOS 50€ PRA GYBE MAS VALE MUITO MAIS!!11”

    Por fim, os parolos “lá fora paguei 200€ para ver bandas que nem conhecia”. oh pá, fixe para vocês, são gajos do caralho e umas sumidades da música, mas ninguém quer saber… parem de se armar. Se vocês deram 200€ para ver Melvins ou um concerto secreto de uma banda de post-metal da Arménia, então o mundo tem que estar preparado para ver GYBE por 50€ porquê, mesmo? A lógica ficou onde?

    Em resumo:

    Lisboa a arder
    GYBE no Porto é ganda cena
    50€ para quem só curte GYBE é caro
    50€ para quem quer ver várias bandas é barato.
    Amplificasom a trabalhar bem.

    Só uma cena: tentem assegurar ao máximo que a malta que dá os tais 50€ não perde concertos por falta de espaço. De resto, é bem, promete!

  30. André

    Aqui neste blog há e sempre haverá espaço e liberdade para qualquer comentário e opinião. Outros apagariam, a nossa forma de estar impede-nos.

    Há comentários tristes, outros insultuosos, mas não passam de meras excepções. Não nos incomoda, pessoalmente só não sei como é que alguém, que não estando interessado no evento, se dá ao trabalho de vir para o site da promotora para simplesmente falar mal. Mas não, não nos afecta.

    Para todos os que continuam a acreditar na Amplificasom e no Amplifest – são cada vez mais e de todo o lado – um obrigado. É para todos vocês que trabalhamos, é a vocês que queremos ouvir opinar, sugerir, criticar.

    Hoje o Rock Rola em Barcelos anuncia um novo nome, amanhã colocaremos online. A Amplistore está prestes a ficar pronta, será possível adquirir os bilhetes e packs de alojamento através de lá.

  31. André

    Titio, obrigado pelo teu feedback. Tal como no ano passado, nenhum concerto será sobreposto. No entanto, temos uma sala de 1000 e outra de 400, eventualmente farás uma escolha ou outra de forma a não perderes algo que queres mesmo ver.

  32. titio

    é bem André, grande cena!

    ps – Mono com álbum novo, conto convosco, em Serralves foi incrível.