AMPLIFEST 2012: Ufomammut

André Coelho

Os italianos Ufomammut são um dos mais sérios casos de ascensão astronómica. Não só porque o seu crescimento, constante, os levou exactamente para onde eles tinham de ir – à editora dos Neurosis, a Neurot Recordings –, mas porque se reflectiu na força dos seus riffs.

Eve foi o coroar de um percurso lento por parte do trio, seguindo-se à primeira confirmação do inegável seu talento, o disco Idolum, de 2008. Este ano foi lançada a primeira parte de Oro, o registo mais arrojado dos italianos, ultrapassando em muito a megalomania do seu sucessor de 2010, com uma faixa de duração suficiente para não caber num registo singular.

À moda da Dopesmoker dos Sleep, e fugindo do stoner pelos trilhos da música pesada ainda por percorrer, Oro: Opus Primum é só a primeira parte de uma música que será editada em duas partes distintas as quais serão apresentadas no Amplifest’12. O Hard Club do Porto aguarda-os.

Ufomammut never fall short. They actually aim for writing the longest and slowest kind of music. And, yes, they’ve never fall short. They first made an impression with the wrecking Idolum, nailing it again and in better fashion with Eve (2010), an epic almost one hour long mindblowing song/record. Just like the Sleep’s Dopesmoker taught them to do.

Opus Primum, the first part of a long-enough-not-to-fit-in-a-record-or-a-CD-song called Oro, was released a few months ago just the get some of the best reviews of the genre. Ufomammut are still true doomsters, melting faces with slow riffs and headbanging their way around high frequencies. Thence the new record being released via Neurosis’ own label Neurot.

An undeniable truth, to be seen at Amplifest’12, in Porto, Portugal. Ufomammut will play in a structurally prepared Hard Club for a wall-of-sound on wall-of-concrete fight. We already know the winner and we’re ok with it.

Comentários

Comentar
  1. Sérgio Rodrigues

    Estava com um feeling que iam anunciá-los! Grande cena. Espero estar presente \m/

  2. philtrips

    Já os vi e foi um dos melhores concertos da minha vida, bem como os Bohren & der Club of Gore. Amplifest 2012 impressionante.