Amplificasom 2006-2012 por Susana Quartin

Infelizmente, são escassos os eventos Amplificasom a que fui nestes 6 anos (culpa dos 300km, dos concertos “irmãos” em Lisboa, dos exames…), mas de todos eles tenho memórias muito fortes:
De sair de um exame e, excitada por entrar de férias e ir ver Wolves In the Throne Room no mesmo dia, seguir directamente para a estação de Sete Rios e apanhar o primeiro expresso que saía em direcção ao Porto, de chegar demasiado cedo ao barco e esperar várias horas sem querer saber, do pôr do sol à beira rio, da surpresa dos Löbo e da intensidade dos outros lobos, da boleia inesperada de regresso quando me preparava para aguentar até às 6h, das dores de pescoço no dia seguinte;
Da loucura, da festa de Kylesa num barco a rebentar pelas costuras, de não ter a certeza se é boa ideia estar a saltar e a cantarolar quando mal consigo respirar mas continuar a fazê-lo;
Da decisão irresponsável (totally worth it) de ir à Fábrica do Som num dia de semana, do Eugene e as suas histórias mirabolantes, dos Aluk Todolo a destruírem tudo em meia hora;
De fazer cerca de 14 horas de viagem (ida e volta) para Barroselas com tenda às costas para ver Menace Ruine pela segunda vez em 15 dias, do transe, da setlist completa, do peso dos Cough e mais dores de pescoço;
Do maravilhoso fim-de-semana no Hard Club: da viagem dos Barn Owl, da demolição total de Godflesh a superar o concerto do Roadburn, da enorme surpresa dos L’Enfance Rouge, do ambiente, das boas companhias (mesmo tendo ido para lá sozinha) e da certeza naquele domingo de que ia voltar para o ano.
Até breve e a mais 6 anos de concertos (e viagens) memoráveis!

Comentários

Comentar