Amplificasom apresenta: ARTHUR DOYLE no Porto

Amplificasom & Soopa apresentam:

ARTHUR DOYLE
GUSTAVO COSTA/ JOÃO FILIPE/ JONATHAN SALDANHA/ FILIPE SILVA
PASSOS MANUEL, PORTO
11 DE MARÇO, SEXTA
22H
5€

Arthur Doyle é grito, fogo e fumos. É dos poucos capazes de sobreviver à sua própria lenda. No seu sopro, o jazz tornou-se uma bala. Nenhum outro saxofone será tão imediatamente reconhecível – como confundir isto?

Natural do Alabama, no Sul profundo dos Estados Unidos da América, é na Nova Iorque dos anos 1970, entre o free-jazz que ainda descia dos sótãos de Manhattan e a no-wave que manchava os passeios, que Doyle faz sentido de uma linguagem que o sacudia e que ia do r&b da sua juventude às vanguardas ásperas do momento. A sua estreia em disco acontece em 1973, no seminal “Black Ark” de Noah Howard. Segue-se – após alguns anos de intermitência perdidos na confusão da cidade – em 1978 a primeira gravação como líder, “Alabama Feeling”, e aqui já um ruído imenso soa pela rua. Quase ninguém o ouve – fala-se em apenas mil cópias prensadas – mas aquela fúria pungente e inadiável não se calou. Com Rudolph Grey (dos Mars) e Beaver Harris forma em 1980 os Blue Humans, durante algum tempo o trio mais incendiário do mundo que era a baixa nova-iorquina. Com o avançar da década e o progressivo asfixiar de oportunidades para a sua música, Doyle atravessou o oceano até Paris, onde passou os anos seguintes rodeado de lâminas disformes, em quase completa obscuridade. Por vezes na prisão.

Arthur Doyle regressa a Nova Iorque em meados dos anos 1990. É aí, na garagem suburbana de um irmão, que inicia uma série de gravações caseiras a solo, coléricas manchas de som que Thurston Moore edita através da Ecstatic Peace! Os concertos sucedem-se, agora regularmente documentados por editoras como a Ayler Records, Qbico, Audible Hiss ou Ectatic Yod. As sirenes voltam a bramir, o ar à sua volta a alimentar-se de chamas. MP/ ZDB


+ info: Artigo Entrevista Video Video

Comentários

Comentar