Amplitude 01.04

coverHiss Tracts – Shortwave Nights [Constellation 2014]

Nem sorte, nem destino. É o timing, é sempre o timing das coisas. Aparece a pessoa certa ou o projecto que ambicionamos a vida toda e não estamos preparados. Ou um disco. Com tanto ruído que aí anda, ou estamos prontos para o deixar entrar na nossa vida ou é mais um amontoado na pilha de propósitos para o futuro. O timing, esse tal elemento despercebido, define momentos.

Tenho o Shortwave Nights há praticamente um ano e só nas últimas duas/ três semanas é que me agarrou completamente. Não tenho ouvido mais nada tal a recompensa que é descobrir este disco a cada audição.

David Bryant (GY!BE – sim, o tal da mítica guitarra) e Kevin Doria (Growing – lembram-se quando os trouxemos ao barco com os Boris?) são nomes que todos conhecemos. David esteve sempre por detrás dos recomendáveis discos dos Growing, a banda gravava no seu estúdio The Pines e ele era o engenheiro de som. Confessou que se identificou e se fascinou imediatiamente com a forma como o Kevin trabalhava os seus sons, mas a química que ambos aparentavam ter como músicos só foi confirmada quando um festival suiço os convidou para um projecto completamente novo (sonho com esse dia no Amplifest) em que consistia na música deste duo e os filmes do projeccionista dos Godspeed, o mesmo de há dois anos e meio: Karl Lemieux. Aí está, o timing das coisas.

As gravações das sessões para essa apresentação, em 2008, viriam a ser as bases do projecto e parte desse material que David confessa ter demorado anos a terminá-lo por ter dificuldade a dar um final (“closure”) aos seus discos, faz parte deste debute que, admitamos, não é para todos. Mas devia.

Sabem, a Amplificasom é pequenina, não chegamos sequer à adolescência, mas nestes quase 9 anos vimos nascer e morrer muitos projectos e trends, ouvimos muita música porque definitivamente a respiramos, mas chega a um ponto em que é demais e tornamo-nos (nós como indivíduos) defensivamente selectivos porque a substância é cada vez mais rara: hoje em dia, é pôr fita adesiva pressionada num teclado, dar um peido num pedal de reverb e temos um disco de drone.

Por muito que seja uma necessidade (ou preguiça!), etiquetá-lo como “drone”, “ambient” ou até “post-rock”, Shortwave Nights é, de facto, outro mundo. Os próprios David e Kevin são músicos com uma profundidade e intensidade incomuns, são escultores de som, e exploram aqui processos e narrativas à base da paisagem sonora e da produção cujo resultado desafia qualquer etiqueta.

Se chegam aqui sem bases, à primeira audição pode parecer nebuloso, mas deixem-se levar pelas paletes de camadas de texturas ricas, afiadas e complexas, tensas e dissonantes, distintas e envolventes. É um belo disco. Para noites curtas. Rendido.

Também a desfrutar: Asunder, Sweet and Other Distress dos GY!BE e Salome dos Marriages.
amplitude

Comentários

Comentar