Arquivo



Klássicos: Soundtracks for the Blind

Lembro-me de ter visto, num qualquer filme ou série, uma cena em que um polícia questionava um homem que tinha sido vítima de um ataque violento; ao serem-lhe perguntados pormenores sobre o seu agressor, o homem repondeu algo na linha de “apenas me lembro de levar a primeira pancada, a partir daí it’s all a blur”. A minha relação com os Swans sofre de uma amnésia semelhante. Lembro-me de, como já mencionei há algumas semanas neste mesmo blog ao escrever breves linhas […]

No Words/ No Thoughts – Jenny Hval, Filho da Mãe

Jenny Hval – Innocence Is Kinky (2013, Rune Grammofon)
Não sei se se tratou de uma sessão de telepatia involuntária com o Michael Gira (quem me dera) ou de pura coincidência, mas escassos dias depois de eu ter descoberto a música de Jenny Hval – por recomendação de um lastfm ou youtube qualquer – foi anunciado que a norueguesa teria a seu cargo as primeiras partes dos concertos da próxima tour dos Swans. Não que Jenny seja uma estreante: Innocence is Kinky […]

No Words/ No Thoughts: Hexis, Marissa Nadler, The Body, Swans

Hexis – Abalam (2014, Halo Of Flies/ Musicfearsatan)
Embora já uma vez os tenha visto ao vivo – numa tarde em que uma Casa Viva de janelas cerradas transbordava escuridão e strobes – confesso que Abalam é o primeiro trabalho de estúdio que ouço dos Hexis; é também o primeiro disco longa-duração da banda, que até aqui apenas contava com EPs e splits na discografia.
Os dinamarqueses têm a sua raiz na franja mais negra do hardcore, numa sonoridade abrasiva a […]

No Words/ No Thoughts – Indian, Neil Halstead, Have a Nice Life, Gonçalo M. Tavares


Indian – From All Purity (2014, Relapse)
Neste novo disco da banda de Chicago, o sludge em forma de violência bruta que apresentavam no anterior Guiltless foi objecto de alguma depuração e expansão; sem deixar de lado a amálgama biliosa de riffs, a sonoridade dos Indian acresceu-se de variedade – os elementos noise estão agora bem mais vincados, por exemplo – e de tensão, piscando até o olho a uns Khanate em alguns momentos de From All Purity.
Ouvir: […]

No Words/ No Thoughts: Obliteration, Bölzer, The National, Swans

Roubando descaradamente, pelo menos por esta semana, o formato das rapidinhas popularizado pelo André, aqui fica o que mais se ouviu nesta semana.


Obliteration – Black Death Horizon (2013, Indie Recordings/Relapse)
O death metal não precisa, felizmente, de salvação, como muitas vezes é preconizado; mas caso fosse essa a situação, este Black Death Horizon estaria na linha da frente da reanimação do estilo. Paridos por uma cidadezinha norueguesa chamada Kolbotn – onde também nasceram uns tais de Darkthrone – os […]

O Círculo da Terra

Põe as minhas mãos no centro da tua loucura
Libertaremos o tempo da lei que o aprisiona
e saíremos para o espaço estelar sem queda
ou regresso

Faz de mim o avesso do teu partir
Juntos completaremos o círculo da terra,
possuíremos a ciência aberta
da seiva e dos cometas,
assim naturais,
compactos com a presença do mínimo

Da tua loucura cantarei versos de lúcida
transposição da morte, respirações capazes
de produzir encantamento entre as pedras

Recolheremos as constelações e […]

suppose

suppose

Life is an old man carrying flowers on his head.

young death sits in a cafe
smiling, a pierce of money held between
his thumb and first finger

(i say “will he buy flowers” to you
and “Death is young
life wears velour trousers
life totters, life has a beard” i

say to you who are silent.—“Do you see
Life? he is there and here,
or that, or this
or nothing or an old man 3 thirds
asleep, on his […]

Amplificasom 2006-2012 por Ângelo Tibério

Desde 26 de Maio de 2008 que tenho este bilhete, entre muitos outros, pregado no armário do meu quarto. Foi o primeiro evento da Amplificasom onde estive presente, o que significa que o primeiro concerto que vi organizado pela promotora foi o dos Growing – embora só tenha apanhado os minutos finais da actuação, por não estar ainda acostumado aos […]

O Backline do Ângelo: os amplificadores Laney

Hoje:

Depois de muitas guitarras, baixos, amplificadores, pedais e riffs, escolhi os amplificadores da Laney para terminar esta rubrica.

Generalidades aborrecidotécnicas:

Foi em 1967 que um baixista chamado Lyndon Laney, que fazia parte de um grupo chamado Band Of Joy – com uns tais de Robert Plant e John Bonham – decidiu começar a desenvolver amplificadores para juntar alguns trocos aos poucos que ganhava como músico. Estávamos em Birmingham, berço dos Black Sabbath, e […]

O Backline do Ângelo: os amplificadores Green

Hoje:

Apesar da fama, a Orange não detém o exclusivo da utilização de cores no que toca a baptizar amplificadores: apesar da sua relativa raridade, os Green são um dos amplificadores mais conceituados entre os músicos da cena stoner/doom.

Generalidades aborrecidotécnicas:

O primeiro fabricante dos Green – a produção começou em 1994 –foi a Matamp, empresa inglesa que, décadas antes, esteve também associada ao fabrico dos primeiros Orange. Em 2005 a produção dos Green […]

O Backline do Ângelo: o Crybaby

Hoje:

O Crybaby gaba-se de ser o pedal para guitarra mais vendido de sempre e sobre este icónico pedal de wah-wah existe até um documentário, intitulado “The Pedal That Rocks The Word”, que podem ver aqui.

Generalidades aborrecidotécnicas:

O primeiro wah-wah foi desenvolvido pela Thomas Organ em 1966, e foi esta empresa que fabricou os primeiros Crybaby bem como os primeiros wah-wahs da Vox. Hoje em dia é a Dunlop que assegura […]

O Backline do Ângelo: as colunas Emperor

 

Hoje:

As colunas são, por vezes, uma parte do rig menos valorizada pelos guitarristas e baixistas, mas a sua influência no som final obtido é determinante. O pessoal da Emperor sabe isso e as colunas que fabrica foram idealizadas com os utilizadores de afinações baixas em mente, tendo-se tornado a escolha de boa parte dos músicos do espectro stoner/doom e derivados.

Generalidades aborrecidotécnicas:

A Emperor existe desde 2006 e foi criada em Chicago […]

O Backline do Ângelo: o EBow

Hoje:

Além dos dedos e das palhetas, existem outras formas de fazer as cordas de uma guitarra vibrar: por exemplo através da utilização de uma pequena ferramenta chamada Ebow.

Generalidades aborrecidotécnicas:

O Ebow, cujo nome surge da abreviação de Energy Bow, é um aparelho que ao ser posicionado sobre uma das cordas cria sobre esta um campo electromagnético que a faz vibrar ininterruptamente. O efeito é um pouco semelhante ao criado por um arco […]

O Backline do Ângelo: os amplificadores Ampeg

Hoje:

Os amplificadores de baixo da Ampeg, a marca que fez um favor à malta dos graves ao criar o SVT e os seus 300 watts de potência.

Generalidades aborrecidotécnicas:

A Ampeg foi criada em Washington em 1946 e o seu primeiro produto foi um pickup para contrabaixo – o nome da empresa vem de amplified peg. Entre outras inovações, como o (alegadamente) primeiro amplificador de guitarra equipado com reverb, a Ampeg desenvolveu e […]

O Backline do Ângelo: o Big Muff

Hoje:

O pedal de fuzz mais reconhecido de sempre, a quem os Mudhoney dedicaram um EP e que conta com uma versão limitada desenhada em colaboração com os Mogwai – o Big Muff da Electro-Harmonix.

Generalidades aborrecidotécnicas:

O Big Muff é produzido pela companhia nova-iorquina Electro-Harmonix desde o ano de 1969, sendo que até 2009 eram também produzidos pela Sovtek (companhia […]

O Backline do Ângelo: os amplificadores Sunn

Hoje:

Como é do conhecimento mais ou menos geral, a imagem no topo do post não corresponde apenas ao logotipo dos droners Sunn O))) mas também (e originalmente) ao da extinta marca de amplificadores Sunn – o nome e o logo da banda são mesmo uma homenagem às ferramentas que Stephen O’Malley & C.ª utilizam para criar a sua violenta parede sonora.

Generalidades aborrecidotécnicas:

Curiosamente, o fundador da Sunn era músico mas o som […]

O Backline do Ângelo: o ProCo RAT

Hoje:

Como talvez tenham reparado, a renovação da minha estadia aqui no blog veio com uma mudança no título da rubrica: a partir de agora tentarei abordar não apenas as guitarras em si, mas também baixos, amplificadores, pedais. Pouco mudará, portanto.

Hoje escolhi debruçar-me brevemente sobre um dos mais famosos pedais de distorção de sempre – o ProCo RAT.

As Guitarras do Ângelo: a Stratocaster

A guitarra:

Depois da primeira guitarra a ser abordada ter sido a Les Paul, e dois meses de guitarras e amplificadores depois, haveria melhor maneira de terminar do que com a icónica Stratocaster?

Generalidades aborrecidotécnicas:

Um pouco à imagem do que se passa com o modelo Les Paul, o formato Stratocaster acaba por extravasar os modelos da Fender, o seu fabricante original, para incluir também todas as cópias que se vão fazendo deste modelo, […]

As Guitarras do Ângelo: os riffs do Roadburn

A guitarra:

Tantas guitarras, tantos amplificadores, tantos riffs. O Roadburn acabou há pouco mais de uma semana e por aqui já se contam os dias que faltam para a próxima edição – são 360, já agora.

Generalidades aborrecidotécnicas:

Obviamente, ir a um festival como o Roadburn é tudo […]

As Guitarras do Ângelo: os amplificadores Orange

A guitarra:

Tal como na semana passada, vou aldrabar ligeiramente o assunto da rubrica e escrever não sobre as guitarras em si, mas sobre amplificadores. Isto porque não poderia deixar de me debruçar um pouco sobre os Orange.

Generalidades aborrecidotécnicas:

Fundada em Inglaterra no ano de 1968 por Clifford Cooper (felizmente ainda entre nós) que decidiu baptizar o seu produto com o nome Orange visto o laranja ser a sua cor preferida. E, claro, […]

As Guitarras do Ângelo: os amplificadores Marshall

A guitarra:

A guitarra tem de ser ligada a um amplificador para se fazer ouvir, e de certeza que hoje não ouviríamos a música da mesma maneira se não fosse o homem da foto no topo deste post. Esse homem chama-se Jim Marshall, e faleceu no passado 5 de Abril com 88 anos. De certeza que desde esse dia já construiu novos amplificadores para o Hendrix, para o Stevie Ray Vaughan e para muitos outros e que já ninguém consegue descansar em […]

As Guitarras do Ângelo: a Jaguar e a Jazzmaster

A guitarra:

Os dois mais famosos modelos offset-waist da Fender, ou: As guitarras com mais coolness de sempre.

Generalidades aborrecidotécnicas:

Corria o ano de 1958 quando um construtor de guitarras e empresário de nome Leo Fender decidiu lançar para o mercado a Fender Jazzmaster com o objectivo declarado de penetrar no nicho dos guitarristas de jazz. A guitarra pouco tinha a ver em termos tímbricos com a sonoridade tipicamente procurada pelos músicos de jazz […]

As Guitarras do Ângelo: Rickenbacker 4001/4003

A guitarra:

Como prometido na semana passada, hoje o número de cordas passa de seis para quatro. Os baixistas também são gente, e não poderia deixar de escrever um pouco sobre instrumentos tão icónicos como o são os baixos da série 4000 da Rickenbacker, em particular os modelos 4001 e 4003 – por serem os mais comuns da série.

Generalidades aborrecidotécnicas:

Em 1957 a Rickenbacker lançava o 4000, a sua primeira incursão na construção […]

As Guitarras do Ângelo: a SG

A guitarra:

A SG, a guitarra que transpira Doom por todos os lados.

Generalidades aborrecidotécnicas:

Em 1960, escassos anos depois de ter saído para o mercado, o modelo Les Paul da Gibson apresentava uma quebra enorme nas suas vendas. O meio que a Gibson encontrou para dar a volta à situação passou por um redesenho do modelo: um braço mais fino e rápido com acesso mais fácil aos últimos trastos e um corpo também mais fino e leve, com duplo […]

As Guitarras do Ângelo: Travis Bean

As guitarras:

Em Julho do ano passado faleceu o homem que posa, na foto acima, com um espécime das guitarras que partilham o seu nome: Travis Bean.

Generalidades aborrecidotécnicas:

A principal característica que define as Travis Bean e as demarca das outras guitarras é a utilização de alumínio para a sua construção, ao invés de serem inteiramente feitas da tradicional madeira. Mais especificamente,  o alumínio é utilizado na construção do braço das guitarras, sendo […]

As Guitarras do Ângelo: A Les Paul

A guitarra:

Quando o André me convidou a voltar ao blog, desta vez para escrever uma rubrica sobre guitarras (em vez de me queixar de que ninguém vinha comigo ao Vagos), demorei um segundo  a dizer “claro que sim”. No segundo seguinte já tinha decidido que o primeiro post seria sobre a Les Paul.

Generalidades aborrecidotécnicas:

A designação “Les Paul” é, por razões de trademark, exclusiva da Gibson (fabricante que originalmente desenvolveu a guitarra) […]