Beija o ânus dum gato preto

KISS THE ANUS OF A BLACK CAT – The Nebulous Dreams [Conspiracy 2008]
Este disco dos Kiss the Anus of a Black Cat roda há uns dias e é esquisito (não só o nome), mas bem construído. Folk apocalíptico, dizem os gajos, mas gostava de ler as opiniões de fãs dos Current 93, gostava mesmo.

Comentários

Comentar
  1. Zatoichi

    Por falar em Current 93, o Sr. Tibet tem album novo ah pois é. E tá muita bom! _D

  2. Rodolfo

    kiss the anus of a black cat é muito bom – fala o fã de c93.

    a expressão, arrisco, está relacionada com o catarismo (uma forma de cristianimso herege popular na provença medieval) na medida em que era uma das acusações feitas aos ditos: a de beijarem o ânus de gatos… por esta não esperavam vocês, aposto.

    quanto à cena do apocalyptic folk… era uma piada. foi uma coisa que o david tibet (bunton, anok pe ou gato coptico) respondeu a um entrevistador; ele perguntou-lhe que tipo de pessoas eram eles (os C93), e ele respondeu “tipos apocalípticos” – “apocalyptic folk”.
    por esta não estavam vocês à espera, parte 2.

    o ideal é chamar à coisa post-industrial digo eu.
    foram bandas do contexto post-industrial que definiram esta sonoridade: os Death in June, os Sol Invictus e os Current 93, logo…
    agora, também lhe podemos psy folk, se preferirmos as designações mais recentes, pós New Weird Americas e coisas do tipo. Eu chamo folk e pronto, é mais rápido, se necessário depois clarifico que não estou a falar de Fairport Convention :)

  3. Rodolfo

    mais sobre o assunto já agora, citantdo uma fonte católica anónima do sec XII:

    “… sit waiting in silence in their respective synagogues, and a black cat of marvellous size climbs down a rope which hangs in their midst. On seeing it, they put out the lights. They do not sing hymns or repeat them distinctly, but hum them through clenched teeth and pantingly feel their way toward the place where they saw their lord. When they have found him they kiss him, each the more humbly as he is the more inflamed with frenzy – some the feet, more under the tail, most the private parts. And, as if drawing license for lasciviousness from the place of foulness, each seizes the man or woman next to them, and they commingle as long as each is able to prolong the wantonness.”

  4. Susana Quartin

    Conheço umas coisas antigas deles e gosto. Esse não ainda não ouvi :).