Chris Cunningham – o mestre do videoclip

Na história recente da cultura do videoclip (antigamente designado teledisco), há cinco ou seis grandes realizadores que deixaram marca autoral: David Fincher (agora rmais conhecido como realizador de cinema), os conhecidos Spike Jonze e Michel Gondry, Floria Sigismondi (autora do célebre “The Beautiful People” de Marilyn Manson, entre outros), Jonathan Glazer (realizou em 2004 o interessante “Birth” com Nicole Kidman) e Chris Cunningham. Este último é, quanto a mim, o maior de todos, ainda que a sua produção seja, porventura, menor em quantidade relativamente aos restantes realizadores.
Realizou spots publicitários (Playstation, por exemplo), videoclips para artistas pop mainstream – Madonna e Björk e para seminais projectos da electrónica experimental – Autechre, Aphex Twin, Squarepusher (da editora Warp Records). Com o seu trabalho provou ser detentor de um universo estético próprio.
Para a cultura do audiovisual da década de 90 ficará para sempre esse impressioante documento que é “Come to Daddy” (1997) de Aphex Twin, verdadeiro compêndio simbiótico de negritude estética, cibernética alienada, música libertária e imagens em erupção catatónica. Aprendeu com o mestre: Stanley Kubrick, com quem trabalhou um ano para o projecto nunca concluído “I.A.” (posteriormente realizado por Spielberg).Em 2005, Cunningham realiza uma espécie de sequela de “Come to Daddy”, onde um corpo mutante e disforme (reminiscências das mutações genéticas de David Lynch e David Cronenberg)chamada “Rubber Johnny” dança, de forma aterradora, uma polirrítimca música de… Aphex Twin.
Já não é propriamente um videoclip com a estrutura convencional, é antes um formato mais ambicioso, próximo da curta-metragem de ficção. E é outro legado insubstituível da cultura das imagens para a primeira década deste novo milénio.
Last but not least: Chris Cunningham prepara, já há alguns anos, a adaptação para cinema do célebre livro da cultura cibernética “Neuromancer” do guru da literatura cyberpunk William Gibson. Aguarda-se nada menos do que uma bomba.

Comentários

Comentar
  1. ::Andre::

    Este gajo é uma brutalidade, tem um estilo muito próprio mas não sabia que estava a preparar uma longa metragem. Fiquei curioso, muito.

  2. Rodolfo

    o rubber johnny é perturbador… de um modo bom :)

    gosto muito do sr Cunningham por todo o seu imaginário e tal mas se calhar gosto mais do Gondry, que faz trabalhos mais diversificados em termos estéticos.

  3. apf

    concordo com a tua visão mas acho que o Chris tem a visão experimental mais polida que a da curta-metragem nos seus videoclips.

  4. ricardo

    Não esquecer que o Senhor Jonathan Glazer também fez um filmaço do caraças intitulado "Sexy Beast" com o Ben Kingsley e o Ray Winstone.

    O David Fincher também é o um excelente senhor no que consta a videoclips… viram aquele que ele fez para os NIN? Awesome.

    Grande Post Senhor Que Sabia Demasiado.

  5. apf

    Também foi automático vir logo o nome Adam Jones à tona :)

  6. J.

    De vez em quando tenho assim uma necessidade de ver o "Ruber Johny", perfeitamente freakish… Os ambientes deste vídeos são fabulosos, e o som de Aphex Twin também ajuda. Agora este senhor fazer o "Neuromancer", isso sim deixa-me água na boca!!! Livro absolutamente genial, vale a pena ler!