Constatação do dia

“Várias teorias e conspirações rodeiam os diversos formatos usados para “coleccionar” música. No entanto, nunca outro formato como o vinil causou tantas razões para se falar acerca dele. É curioso constatar que é comum encontrar pessoas que se surpreendem pelo facto de ainda se imprimir em vinil havendo o CD – nunca ficam surpreendidas pelo facto de ainda haver o CD depois do MP3. Acabam sempre por comentar que ainda têm muitos vinis em casa, alguns eram do pai ou até dos avós, mas que não têm como os escutar. É curioso pensar que há uns anos atrás a música era um bem apreciado nas casas portuguesas e o vinil contribuiu para essa realidade.”

in Matéria Prima

Comentários

Comentar
  1. Adriano

    É um formato que renasceu, e uma solução temporária para o problema do mp3.

    Pergunto-me quanto tempo vai durar, da minha parte eu nunca comprei tanta música como nos últimos 3 anos, desde LP's que não comprei quando ouvia e agora reconheço valor (comprei a semana passada edições originais de Holy Terror por exemplo). Que o CD morreu não há dúvida, que os pratos começaram a vender tb é um facto.

    Quem diria que quando um familiar meu há 2 anos fechou a loja especializada em metal cá em Coimbra, isto iria retornar.