Continua agridoce

Excelente, irritante, irreverente, matemático… é um álbum que não passa despercebido, é um álbum que goste-se ou não vai marcar 2007. Adorei os Eps, comecei por ter dúvidas quando ouvi este “Mirrored” mas agora dou por mim a ouvi-lo vezes e vezes sem conta.
Será isto a herança do pós-rock?

“Atlas” é só o single do ano!!!

Comentários

Comentar
  1. Bruno Coelho

    Primeiro estranha-se, depois entranha-se e de que maneira!!
    Adoro este álbum.
    Ouvi primero os álbuns e só agora é que arranjei os EPs e acho que foram muito importantes para este álbum. Serviram para experimentar e criar uma identidade que se vê neste Mirrored.
    Excelente, mesmo.

  2. Pedro

    Já tinha comentado com o bruno. Para mim é um dos discos do ano. Um emaranhado de tanta coisa que nos deixa completamente viciados e desarmados. Uma banda que transforma as referências num som único.

  3. Crestfall

    Eu não entendo o que é que vocês estranham à primeira! O disco tem um ritmo fantástico.

    Oh André, o que é que te continua a irritar?

  4. Bruno Coelho

    Crestfall, a primeira vez que ouvi havia ali qualquer coisa que não estava a entrar bem. Isto não é própriamente um som vulgar.
    É como os brasileiros quando vêm jogar para a Europa, é preciso uma fase de adaptação.

  5. celtic

    O celtic ainda ishtá na fási de adaptaçaum.. Maish prometxi muitos gôus lá mais no fim da época né.

  6. Luis

    Estava para aqui a pensar. Não poderia “atlas” ser uma música dos tras am? facilmente? Ou será que é mesmo tras am meets animal collective? Ou só estou a inventar…

  7. ::Andre::

    E eu deixei uma questão no tópico: é esta a herança do pós-rock?

  8. Pedro

    Para mim não penso como a herança do pós-rock, acho que o som destes gajos vai muito para além disso. Trans Am? Animal Collective? A melhor forma que encontro para justificar este colectivo são as suas próprias criações Don Caballero, Storm and Stress, Helmet, Tomahawk… bandas com um som único e agora os Battles são apenas mais uma que nos deixam a pensar onde raio eles foram buscar uma sonoridade destas? Depois surge tudo tão contido, tão explosivo que nem quero pensar no que virá a seguir…os battles são math-rock, experimental, avant-rock, post-rock, indie, art-rock, progressivo, space-rock, post-punk, noise…..

  9. Luis

    Sim andré, eu vi a tua questão e estava a reformular para prog-rock…é esta a herança do prog-rock? Para mim é o mais certamente que pós-rock. Agora se são tudo isso e algo mais, provavelmente. Mesmo autoreferenciais, provavelmente. No entanto, “atlas”, apesar de divertida, não soa propriamente a novo (independentemente do valor do “novo”). Parece-me uma evolução natural; reformulo melhor, um caminho co-existente parelo / complementar (que já foi também explorado), a todos os estilos e referências referidos. Não estando aqui a fazer quaisquer julgamentos sobre o valor dos battles ou da música em questão, note-se.

  10. Pedro

    Crest o disco para mim tem muito pouco de animal collective só se for em algumas vozes… E a música Atlas é viciante, é dançável etc etc, mas há melhor no disco…

  11. Bruno Coelho

    Isto não tem muito de prog, a “Rainbow” tem alguns cheirinhos, mas no geral não tem nada a ver.
    AC? Só com muito esforço é que se consegue lá encontrar algo, talvez na “Bad Trails”, mas não é muito relevante.
    Isto soa é a Battles e ponto final.

  12. Pedro

    pronto bruno conseguiste reduzir eficazmente uma carrada de frases…