Country Adventures

5 de Setembro. Há um ano estava a voltar de Nova Iorque. Numa viagem anormalmente curta (ventos favoráveis) e a horas indecentes para dormir (final de tarde), aproveitei para ver o Crazy Heart na maravilhosa invenção que é a televisão individual nos aviões. Tinha iniciado a viagem pelo blues há relativamente pouco tempo e o bichinho do country começava a surgir – só conhecia Cash, e mal (bom, e bandas como 16 Horsepower, que não são exactamente o que se pode chamar de country tradicional). O filme foi o último empurrão que precisava e nos dias seguintes, em reclusão por não querer acreditar que estava de volta a Lisboa, comecei a pesquisar.

Apelidado de pai da música country, pareceu-me adequado começar por ouvir Jimmie Rodgers. O que convém saber antes é que ele é famoso pelo yodeling (se pensaram em alpinos, é isso mesmo), e o álbum que arranjei tinha disso aos montes. Hoje, embora em geral goste mais das músicas sem (muito) yodeling, concordo com quem escreveu ‘everyone needs some yodeling in their life’, mas na altura houve um pequeno choque inicial e, antes do álbum terminar, passei ao próximo nome da minha lista: Hank Williams. Desta vez a reacção foi muito diferente. Era tudo o que eu esperava que fosse bom country e ainda mais. Adorei à primeira e não peguei em mais ninguém durante algum tempo – um ano depois ainda me faltam muitos clássicos do country, que hei-de ir descobrindo aos poucos, mas poucos chegarão aos calcanhares do grande Hank.

Quem acabei por conhecer através dele foi o neto, Hank Williams III, que toca outlaw country, cowpunk, hellbilly, por aí… No início estranhei um pouco, mas hoje ouço tanto como o avô (falta ouvir o pai) e estou entusiasmada com a notícia dos três álbuns (!) que vai lançar…amanhã. Entretanto vim a saber que é amigo do Phil Anselmo, Bower, Mike Williams e toda essa gente – tocou baixo em Superjoint Ritual e bateria em Arson Anthem.

Fica aqui uma das minhas músicas favoritas de Hank Williams:

Quem conhecer o The Crybaby de Melvins vai reconhecer, fizeram uma cover da música com o Hank III na voz (eu descobri depois, nunca tinha ligado muito a este álbum de covers), e o Mark Lanegan e a Isobel também têm uma cover desta música no Ballad of the Broken Seas.

Comentários

Comentar
  1. ::Andre::

    Não rodo muito country e quando preciso o Cash chega, mas gostei da sugestão. Quanto ao filme, não deixa saudades embora tenha o rei Bridges.

  2. quietdropsedit

    uma sugestão, flying burrito brothers, precursores do country alternativo

  3. Susana Quartin

    Pois, eu gostei do filme pelo Bridges :).
    Diz-me uns 2 ou 3 álbuns de Cash para ouvir, eu só conheço praticamente os últimos e músicas soltas…

    Quanto a flying burrito brothers, acho que ouvi as músicas erradas no youtube, não ouvi muito country :x.