Dauphinoise do Capeta

O Delfinato era uma região situado no Sudoeste da França Occitânica, terra de Bons Homens e onde se cantavam louvores à Minne Provençal. Aparentemente, havia também batatas, cebolas e natas.
Hoje vamos fazer Dauphinoise (que vem do Delfinato), que soa muito mais fancy do que é na verdade: um empadão de batata e cebola com natas. É um prato muito simples ainda que moroso e que requer alguma paciência. O resultado final, no entanto, é bastante recompensador.
Sendo um prato da zona alpina, pomos Sturmpercht para dar o tom.

O ideal é arranjar um ralador daqueles que tem lâminas para fatiar porque é vital que as batatas sejam fatiadas finamente.
Descascam-se algumas batatas – a quantidade depende do tamanho do tabuleiro de assar; podem-se sempre descascar mais para acrescentar se for necessário. – e faz-se uma camada de batatas que se cobre com uma camada de cebola cortada em meias-luas. Polvilha-se esta última camada com um pouco de sal, de pimenta e de noz moscada.
Faz-se nova camada de batatas fatiadas coberta com uma camada de cebola e repete-se o processo de tempero.
Por fim, cobre-se com uma camada final de batatas fatiadas e por cima desta, verte-se uma quantidade generosa (um pacote pequeno ou mais…) de natas (de soja). As natas vão escorrer por entre as camadas de cebola e batata quando estiverem no forno.
Se não houver natas, faz-se um roux colocando um pouco de manteiga (de soja) num tacho, adicionando um pouco de farinha, envolvendo bem até o cereal inchar com a manteiga derretida; após isto adiciona-se um pouco de leite (de soja) até se obter a consistência desejada.
Vamos pôr a tocar umas musiquitas do Prolepse, em particular as que o tipo faz com temas mais arcaicos da cultura portuguesa como o excelente “Clara Lopes” ou este “O Diabo” e continuamos a cozinhar.
O tema já não é alpino, mas continua na onda do capeta em que os Sturmpercht nos deixaram :)
Este prato é um acompanhamento mas pode facilmente converter-se num prato principal com muito pouco esforço.

Entre camadas de batata e cebola, podemos colocar uma camada de seitan (ou tofu) fatiado (previamente temperado/marinado, com ervas da provença por exemplo, que é bem adequado), ou uma camada de cogumelos laminados e salteados com um pouco de tomates secos, encorpando bastante o prato.
No final de tudo, tempera-se com um pouco mais de sal, pimenta e noz moscada e leva-se ao forno durante 45 minutos a uma hora, até as batatas de cima estarem tostadas e douradas e a superfície aparentar estar gratinada.

Comentários

Comentar