Desabafos à hora do lanche

João – Não achas uma pena já não haver respeito pela obra que é um disco? Pelo objecto físico? Pelo culto de partilhar? Acho que seria interessante fazer algo tipo como fez o Teatro Maria Matos, mas mais regular e mais abrangente.
André – Eu respeito a obra, eu adoro o objecto… Junto-me aos que partilham a mesma cena, afasto-me e cada vez menos me preocupo com os outros.
João – Pois, claro, mas é uma pena até porque há pessoas a ouvirem as cenas, não passam é do mp3.
André – Talvez…
João – Na última Wax Poetics vinha um anúncio de uma editora ou distribuidora qualquer que dizia: If you absolutely insist on mp3s, at least buy them at a RECORD STORE. Halycon 10 years, now serving our music heroes as ones and zeros”

Comentários

Comentar
  1. Sergio

    Eu adoro os disquinhos, desde o acto de os comprar até o ritual de os pôr a tocar, a artwork, os livrinhos com as letras e afins… Os mp3 dão-me jeito para poder andar com a música para todo o lado, mas os discos tenho sempre que os ter… já estou como o outro: podia viver sem discos? Podia, mas não era a mesma coisa.

  2. Crestfall

    Eheh que lema bonito, "now serving our music heroes as ones and zeros". Comprar mp3, não obrigado. Tb tou como o Sergio.

  3. celtic

    e há muitas coisas melhores que ser acordado pelo carteiro a tocar à campainha e a dizer que as encomendas não cabem na caixa do correio? :D

  4. ::Andre::

    Tu compras discos Crest, tu organizas concertos, tu divulgas música, tu escreves sobre música. Respeitas a obra e o artista, mas há quem se fique apenas pelo mp3 que saca sem contribuir, é aí que a frase da editora quer chegar.