Diários Emocore

Pois dizem-me que isto se chamava assim. Em 1994 saiu “Diary”, disco de estreia dos Sunny Day Real Estate, que coexistiu com outras coisas que ainda não cheguei a ouvir, como os Jawbreaker e Jets To Brazil. Na verdade, sei muito pouco sobre este estilo de música, pelo que este é mais um post de primeiras impressões do que propriamente um discurso assertivo.

O que gosto mais em “Diary” não pode ser as letras, porque sem o booklet (e ainda dizem que estas coisas estão ultrapassadas…) é difícil perceber o que Jeremy Enigk canta, com a sua voz que parece dissolver-se no ar à medida que arrasta as sílabas. Paradoxalmente, é esta maneira de cantar, e a forma como interage com a sempre irrequietíssima secção rítmica de Nate Mendel e William Goldsmith que se tornam mais fascinantes na música dos SDRE. Aliás, a voz de Enigk parece ter ascendência directa sobre a de Chino “Deftones” Moreno.

Os SDRE pegam naquilo que podiam ser corriqueiras canções rock FM, e dão-lhes uma série de ângulos e arestas capazes de prender a atenção pelo fascínio que exercem. Não surpreende que nunca tenham realmente alcançado sucesso comercial, pois esta não é música particularmente fácil. Serve excelentemente nas primeiras impressões por aqui, e para já é isso que importa.

Comentários

Comentar
  1. Saturnia

    Sunny Day Real Estate do que tu me foste lembrar…
    Tenho o The Rising Tide e o Live (as vezes que a "in circles" me acompanhou pela rua fora).

    Não sei pq mas lebram-me sp os jane's addiction

  2. Hélder Costa

    Gostei muito do ultimo album deles, "The Rising Tide", andei viciado numa musica do album "Faces in Disguise", a "In Circles" do "Diary", é capaz de ser das melhores malhas do rock alternativo, descobri-os numa das noites do indigenmte, praí em 99/2000

  3. Saturnia

    Concordo Hélder!! a Circles é qq coisa… nostalgia neste momento!!

    Por causa disto até fui ouvir os Splender (a música cigarrette. nao sei se alguem conhece).
    De comum só tem a altura em que entraram na minha vida ehhehehe

  4. Hélder Costa

    Eu lembro-me da Oxygen dos JJ72 :P os My Vitriol não conheci muito bem, o pouco que conhecia fazia lembrar os Placebo, estes ultimos eram tão bons nos 2 primeiros albuns, depois perderam-se

    a nostalgia é qq coisa, descobri muita boa música nos programas do Nuno Calado, que ouvia religiosamente

  5. tak

    epá sophia tinha-me completamente esquecido da in circles, dei por mim a cantar o refrão, não ouvia isto na boa há uns 7 ou 8 anos.

    oh a altura em que se podia fazer qualquer tipo de música sem ter que andar a associar a isto ou aquilo…

  6. Daniel

    Acordar ao lado da mulher q amo ouvindo o "The Rising Tide" é algo q me marcou p todo o sempre.
    Devo-lhe esta e muitas outras descobertas!
    Foi o último disco q fizeram juntos, mas o Jeremy Enigk vem atirando belíssimos discos a solo desde então.
    Juntaram-se há dias e estão a "tourear" de novo.
    Quem sabe…

  7. ::Andre::

    My Vitriol? Vi-os há uns anos com Placebo, bom concerto. Nunca mais ouvi falar deles…

  8. Susana Quartin

    Ui, My Vitriol….só conhecia meia dúzia de música e essa (moodswings) era uma delas. Que nostalgia x).