E a banda que fará companhia aos METZ é…


THE GLOCKENWISE

Para os Glockenwise, a ganga e a acne (pelo menos, na sua grande maioria) já eram. Mas, apesar da evolução, dos quilómetros de estrada, de concertos transpirados, de uma digressão europeia, de uma nova maturidade, de grandes palcos e de palcos menos grandes, toda a jovialidade dos quatro miúdos barcelenses mantém-se. Aqui não há falhas: é só boa onda, rock’n’roll a sério e a crença de que, um dia, será a distorção a comandar o mundo.

Por isso mesmo, o sucessor do reconhecido Building Waves (2011, Lovers & Lollypops/VICE) já está em preparação. O segundo longa-duração dos Glockenwise, ainda sem nome, tem data prevista de lançamento para Maio deste ano e está a ser marinado nos estúdios portuenses Sá da Bandeira, contando com a companhia de luxo de João Brandão, Eduardo Maltez (L&L) e de João Vieira (X-Wife) na produção. “Time to Go”, o primeiro single prestes a ser conhecido, promete um regresso às origens – ao caos dos carismáticos Black Lips, à robustez de uns Stooges e às boas nutações, cheias de adrenalina, como ditam os MC5.

É assim que se fazem as grandes bandas. Se fosse melómano, Neil Armstrong diria: “Um pequeno passo para o homem, um grande passo para a musicalidade.” Só que, neste caso, é mais uma corrida para a energia e para a descarga corporal. Porque, se pensarmos bem, as canções dos Glockenwise fazem parte daquele tipo restrito de música que estoura com amplificadores e com diferenças de idades – transgeracional. O Rafa, o Fiusa, o Cris e o Nuno não têm dúvidas disso.
Ana Beatriz Rodrigues

NOVO TEMA:

METZ + THE GLOCKENWISE
12 de FEVEREIRO, TERÇA
PLANO B, PORTO
PORTAS 21h30
INÍCIO 22h00
Os bilhetes encontram-se a vender bem na Amplistore, Jojo’s/ Cdgo.com, Louie Louie e Matéria Prima! Casa cheia! De pessoas, róque e suor!

Comentários

Comentar