Estúdio de bolso

Pois é, sou um feliz (e satistfeito) dono de um ipad. “Então mas isso não é tipo um portátil?” Não. “Isso não é tipo um leitor de mp3”? Não. “É tipo uma consola de jogos, ereader, dispositivo de acesso rápido à internet?”. Não, isto é tudo isso e muito mais. A apple acertou em cheio neste ferrolho, porque muito em breve deixaremos de ver aí as pessoas a carregar as suas mochilas com os portáteis e a sacar do bolso de trás um ipad para fazer tudo e mais alguma coisa. “Mas isso não tem usb”, ok, esta só mesmo quem tiver um ipad sabe como pouca ou nenhuma falta faz o usb. “Ah, não há nada como pegar no papel de um livro ou de um jornal…” Sim sim, chorem rios de nostalgia enquanto eu domino a awesomeness de um Garage Band ou acedo à fabulosa aplicação do Expresso, ao mesmo tempo que consulto o meu mail e controlo há quanto tempo está o assado no forno.

Isto vai acabar por substituir os livros da mesma forma que o mp3 substitui os cds, os cds o vinil, etc. Quem gosta de ler um bom livro, vai continuar a comprar como eu ainda os compro, assim como compro cds. Mas confesso que estou rendido a tudo o que o ipad me deixa fazer. Como este pequeno jingle que me faz lembrar o Karate Kid (imaginem no primeiro filme a parte em que ele está na praia a treinar o golpe do ganso em cima dos toros de madeira, e assim que chegar à segunda parte da música é quando ele consegue efetuar esse move com sucesso)

Comentários

Comentar