Falar de Sun Ra também é falar de Phill Niblock


Após o tópico do Fabricio faz sentido mencionar o filme abstracto e dum preto & branco delicioso que Phill Niblock fez sobre Sun Ra. As imagens são raras e exclusivas, obrigatório para fãs do mestre ou até aproveitar como introdução ao trabalho cinéfilo de Niblock (que também é compositor e fotógrafo).

Como sabem, a Amplificasom está a agenciar um concerto em Vigo promovido pela Sinsal onde o mesmo terá lugar nuns jardins maravilhosos. Fiquem atentos e apontem no telemóvel: 17 de Julho.

Comentários

Comentar
  1. Luis

    Boa recomendacao, Andre. O "Magic Sun" existe em DVD individual pela Atavistic (que editou o mencionado atras "Strange Strings" do Ra) e tambem no recentemente editado "6 Films 1966-1969" (Die Schachtel) que inclui alguns dos primeiros filmes de Niblock antes dele abandonar tal estilo e iniciar a serie "Movemente of People Working" (da qual existe um novo filme, apos mais de 10 ou 15 anos sem novas filmagens).

    Posta mais info sobre esse concerto em Vigo por favor. E o suposto concerto em Serralves ja nao vai acontecer?

  2. ::Andre::

    Pois, novo filme que tu já viste, mas gajos que vão para a casa nova-iorquina do Niblock são muito à frente :)

    Faltou também referir que tem cerca de 18 minutos.

    Quanto ao concerto, já estarás por cá? Se sim combinamos e vamos juntos até Vigo, vai ser nestes jardins:
    http://www.museodevigo.org/q_jardines_gal.php

  3. Luis

    Sim, dia 17 ja estou por ai (se vulcoes nao estragarem a viagem uns dias antes). Fica entao pre-combinado passeio a Vigo! Os jardins parecem-me ser um bom cenario para tal concerto.

    Pede-lhe para passar o filme novo no concerto – se o pedires ele fa-lo (a nao ser que tenha programado algo especifico para esse concerto).

  4. Luis

    E olha que eu tenho um amigo que ja esteve em casa e estudio do Steve Albini – e se calhar isso ainda e mais a frente.

  5. Dromos

    Luis, nao sabes onde posso comprar o "Terrace of Unintelligibility" do Niblock?

  6. Luis

    Pois, acho que isso já esgotou há muito. A melhor hipótese seria talvez escreveres ao Niblock….

  7. Luis

    Um disco do Niblock que eu ando atras, a preco decente, ha um par de anos e o "Guiitart Two, For Four". Ideias?

  8. Dromos

    na amazon há uns a um preço semi-decente para um disco out of print..

    falavas em cima do steve albini,que opiniao tens do phil niblock como eng de som?

    não conheço muitos discos de outros gravados por ele, mas os que conheço, como o world Of Echo do Arthur Russell, demonstram um trabalho de qualidade superior.Sem contar claro, com o trabalho de composição e gravação para as proprias peças, principalmente apartir do meio dos 90s..

  9. Luis

    Para ser honesto não sabia que o Niblock tinha gravado ou misturado ou masterizado trabalhos de outros músicos.

    E mesmo os trabalhos nos discos mais recentes não é ele que grava ou masteriza (e provavelmente também não é ele que mistura). Mas sei que tem bastante equipamento para o fazer – e como disseste já o fez para discos mais antigos. No entanto acho que ele nunca masteriza os discos para se ouvir em estéreo caseiro – mas sim em sistemas com múltiplas colunas espalhadas por um espaço mais amplo. E tenho a certeza, porque o próprio o disse, que mistura e masteriza (ou indica a quem o faz) os discos para serem ouvidos em volume máximo – o que é bastante óbvio da experiência que se tem a ouvir alguns dos discos a diferentes volumes.

    Mas tenho opinião sobre o steve albini enquanto eng. de som: detesto! é o meu ódio pessoal! ;) Lá porque não grava disco de rock com um som redondo como a restante industria não quer dizer que ache interessante a estética. Mas isto é discussão para outra altura.

  10. ::Andre::

    Ah ah, isto era discussão para agora caros senhores, agora que a passagem dos Shellac e do Albini ainda está bem presente.

  11. Dromos

    Luis,discos gravados para outros musicos, tambem só sei da existencia da gravaçao e produçao do World Of Echo.
    Quanto a masterizaçao não sei,mas obviamente para o tipo de musica que é, nao sao masterizaçoes absurdamente comprimidas,sem dinamica e a soar altissimo por si mesmas (nao confundir com reproduzir alto).
    O Phil Niblock andava a compor para multiplas faixas em sequenciaçao digital (tipo 40 tracks no pro-tools), deduzo que fosse ele a gravar tudo,possivelmente tambem misturar, depois disso provavelmente já não era ele.

    Quanto ao Steve Albini hmmm…qual estética? : p
    90% do que ele faz é trabalho puramente técnico de um engenheiro de som,sabe de captaçao e acustica e é flawless nisso, mas isso nao o torna um demigod do sound engeneering.o próprio admite que não existe grande complexidade no approach dele…e por relatos do próprio descrevendo processos de gravação com esta ou aquela banda, tambem o ves..
    Ainda assim, teve alguns bons resultados ao longo dos anos…mas sinceramente a unica coisa que acho intressante nele como eng é a política de preços dele : P