Gigantic Brain, World

Se nunca tivesse ouvido falar nos Gigantic Brain e me deparasse com este trabalho gráfico, dificilmente ficaria com alguma curiosidade para os ouvir. No entanto, como me aconselharam [ei Miike, sorry naS] fervorosamente a investir os meus dois tostões, lá resolvi investigar que mistérios é que este planeta encerra.
Dizem-se influenciados por Agoraphobic Nosebleed, Flesh Parade, Stars of the Lid, Eluvium, Saxon Shore e Explosions in the Sky. Eu acrescentaria aqui Jesu, porque o 1º tema, We’ve reached the stars, é, inegavelmente, um derivado deste produto JKB. De resto, parece-me inevitável que se identifique na totalidade do álbum, um cruzamento entre os extremos de Agoraphobic Nosebleed e Stars of the Lid, mesmo sem se ter conhecimento prévio das bandas pelas quais eles próprios se consideram influenciados. É no contraste entre esses extremos que o ambiente Sci-Fi impera e sobrevive, entre a manipulação da violência dos frenéticos blast beats e a serenidade das paisagens ambientais. Em alternância, com curtos assomos de predomínio, mas algumas vezes também em sobreposição [The god in the flames], os dois mundos coexistem em harmonia de guerrilha, numa unificação decadente e iluminada, que denota até potencial cinematográfico.
Isto é material para agradar a gajos como eu, que tanto gostam de um mundo como de outro, o que eu não estou a ver é nada disto agradar de caras a quem é apenas adepto de um dos lados.

Comentários

Comentar
  1. naSum

    Para a próxima confia nos gostos do teu irmão pá :P. Gostei muito do álbum também. Não estou a ver o André a ouvir isto, ele que só é adepto de um dos lados lol

  2. Crestfall

    Eheh deves ter falado nisto muito ao de leve ao contrário do Miike. Errr o André até nem é propriamente adepto de nenhum dos lados, mas não falemos por ele. Ele que descubra se vale a pena.

  3. Zatoichi

    Albúm verdadeiramente ENORME!!!! Agora é como digo, era giro ver um double bill Gigantic Brain/Agoraphobic Nosebleed em Portugal no Futuro _D

  4. ::Andre::

    Ó nasfofo, gostar ou não gostar deste álbum implica ser-se rotulado como adepto de um ou outro lado? Estamos perante um novo estilo então?

    Parece-me bem a descrição, fica na lista para um dia destes :)