Isis + Boris + Oxbow @London Koko 02.07.2007

Estou cansado. Hoje foi especialmente difícil acordar, já dormi umas horinhas decentes, mas nas 42 horas anteriores tinha dormido apenas uma. Também quem é que me mandou deslocar a Londres propositadamente para assistir a um concerto? Suportar diversas horas de viagens de avião, de comboio, de autocarro, e de metro, com direito às respectivas e alongadas esperas, suportar a superlativa inconstância do tempo e as súbitas chuvadas, suportar a embriaguez e os sotaques macarrónicos de determinados funcionários do sistema de transportes britânico, suportar as comissões bancárias cobradas por cada processamento com o cartão de débito, não suportar líquidos internos e ter que pagar para os verter, suportar as bandas de suporte, mas pior que tudo, suportar a companhia? E porque raio é que estes bónus deveriam ser considerados como um fardo a suportar? Alguns deles não constituem prospectos agradáveis, mas acabam por ser um mal benigno e por fazer parte da aventura e da recordação colectiva, eclipsando-se perante a grandiosidade do momento.
Depois de chegarmos ao centro de Londres e até irmos para o Koko, demos uns passeios por alguns dos locais da praxe como Leicester Square, Picadilly Circus, Trafalgar Square, London Bridge à Tower Bridge passando pela City Hall e Camden Town. Eram 18h30 quando chegamos ao Koko e pouca gente parava nas redondezas. Pouco tempo depois apareceu o Mr. Cookie [O felizardo de Neurosis que ainda ia para o Roskilde!], recomeçou a chover, e mandaram o pessoal formar uma fila, de maneira que ainda apanhamos mais alguma chuva antes de entrar, passava qualquer coisa das 19h. Depois controlamos uns lugares à maneira nas grades e toda a gente comprou a sua t-shirtzinha.

Conforme prometido num cartaz afixado na entrada do Koko, os Oxbow não foram os Oxbow, apareceram em forma de um dueto acústico, com o guitarrista e o vocalista a serem acompanhados no último terço da actuação por uma violoncelista. A sonoridade que praticam é de difícil catalogação, e se uma actuação eléctrica e de corpo inteiro com os restantes instrumentos já é algo surreal, uma performance como esta muito mais o é. Despojados da secção rítmica perdem em intensidade e atmosfera, ganhando os delírios vocais do Eugénio ainda mais protagonismo e vulnerabilidade, com o strip, os movimentos explícitos, o constante agarrar das partes baixas e aqueles poemas Art-Cock a afigurarem-se e a soarem ainda mais crus.

Antes dos Boris subirem ao palco decidi colocar os tampões nos ouvidos para me proteger dos possíveis excessos sónicos dos Japoneses, mas ao fim de 1 minuto já os estava a tirar. Eles começaram coisa rock e acabaram algo drone. Foi um início em compassos mais lentos com a sublime atmosfera da Farewell, a extraordinária música que abre o Pink, e avançaram para o ritmo acelerado do tema homónimo desse mesmo disco. Sem nunca perderem demasiado tempo com arrastados riffs drone ou compactas muralhas de feedback, mantiveram sempre uma atitude muito rock. A Wata [guitarrista] dá-lhe! Riffs, Leads, Solos, aqueles dedos franzinos acoplados nos braços franzinos suportam tudo. E o Atsuo [baterista] é um marado cheio de energia, com o gongo atrás dele para descarregar alguma, por pouco não aterrou em cima do André e do Mr.Cookie quando praticou stage-diving. Uma actuação poderosa que deveria ter sido um bocadinho mais longa.
Boris Setlist:

Pouco depois das 21h30 subiam ao palco os Isis, o verdadeiro motivo para ali estarmos. E o que posso eu dizer? Foi um concerto memorável, dificilmente não o seria. Estávamos mesmo ali à frente e o som apesar de longe da perfeição estava bem bom. Como seria de esperar reservaram lugar especial para o In the Absence of Truth, e como vinha sendo habitual até então nesta tour começaram com os 2 primeiros temas desse disco. Se é certo que a sonoridade deles tem vindo a sofrer algumas alterações ao longo dos tempos, em palco, a constância entre os temas dos diferentes álbuns é exemplar. As gentis passagens atmosféricas serenamente moldadas pela secção rítmica vão sendo ladeadas pela densidade e intensidade das guitarras [então quando se juntam as 3…], até à visceral purgação inerente aos possantes gritos do Aaron. Foi uma cativante celebração do início ao fim. É que isto em vídeo não tem metade da piada, estes gajos são uma instituição. A The Beginning And The End foi especialmente arrepiante, aquela secção intermédia provocou dos maiores berros da noite, que pujança! E a Celestial? Que colosso de Riffs!
Enfim, para a próxima tour se eles não vierem cá repetimos a dose!
Isis Setlist:
Wrists Of Kings
Not In Rivers, But In Drops
So Did We
Dulcinea
In Fiction
All Out Of Time, All Into Space
Holy Tears
The Beginning And The End
Encore:
Improviso com Eugene Robinson dos Oxbow
Celestial (The Tower)

Comentários

Comentar
  1. Mastodon

    so did we dulcinea in fiction todas seguidas? e no fim a celestial?

    tinha-me vindo logo

    fdx vou ter k vos ir apoiar na proxima

  2. Dermo

    Apesar de tudo o que passamos tenho uma coisa a dizer…Valeu a pena!! Nem digo mais nd!! Grande abraço a voces que me acompanharam nesta aventura!!

  3. Viterbo

    Foi brilhante e muito surreal. A companhia foi a cereja em cima do bolo.

  4. ::Andre::

    Suportar?? Este gajo é doido!! :P
    Fez tudo parte da aventura. É evidente que nos cansamos de um lado p/ outro, apanhamos algumas secas, tivemos 28 horas sem dormir e tal mas isso tudo fez parte da aventura INESQUECIVEL!!! Repetia tudo outra vez e espero que um dia tenhamos a oportunidade de voltar a fazer o mesmo. De resto, concordo mais ou menos com tudo que disseste. Oxbow foi meio bizarro mas marcante; Boris apesar de curto foi a loucura total; e Isis são uma instituição, são uma banda de outro mundo. Adorei os concertos, o dia, a aventura, a companhia…TUDO TUDO TUDO.

    oo/

  5. Crestfall

    Ahah como se não soubesses que era exagero, ironia :-) Claro que foi um pétaculo, tudo, até a chuvinha!

  6. Filipe

    ELES QUE VENHAM CA!!!!!
    Voces deixaram me com agua na boca pa ver qualquer uma dessas bandas!Parece ter sido bem louco, o que eu n dava pa ver iss tudo!lol

  7. Filipe

    Bem nem imagino o que seria ver os isis ao vivo, se ao ve los em dvd j foi o que foi!

  8. ::Andre::

    Não dá para imaginar, não dá mesmo…

    E o meu chat com o Mike de 38 segundos? Isso é que foi. Devias ter tirado uma foto Crest ;P

  9. Pinho

    Acho que unânime…
    quem visita Isis não se importa nem um pouco que Isis venha a Portugal.

    p.s.-» antes de eles divulgarem o alinhamento da tour europeia, tive oportunidade de falar com o Aaron. Ele garantia-me que eles queriam passar por Portugal…até porque o Jeff Caxide tem raízes/familia portuguesa e eles tinham muito gosto em vir cá tocar.
    Depois de ver que não havia nenhum show voltei-os a contactar e o Aaron deixou-me um enigmático “Sorry…”
    pelo que percebo não é a banda que não quer passar por aqui, é mesmo não ter ninguém que os traga. Isso é que é triste…

  10. Pinho

    * acho que é unânime, quem visita o Amplificasom, não se importa nem um pouco que Isis passem por Portugal…

  11. Saturnia

    E uma t shirt para mim trouxeram? =p
    ahhahah
    Um dia espero vê.los ao vivo.
    So Did We
    Dulcinea
    In Fiction
    que grande viagem…
    Sortudos… Tenho de contentar.me com o DVD.

  12. ::Andre::

    Pinho, não é assim tão fácil como parece. Nós temos um contacto regular com o agente deles (o roster dele é excelente) e não é assim tão fácil trazer uma banda como os Isis, especialmente ao Porto.

    Saturnia, a minha t-shirt é linda ;P

  13. Saturnia

    Pois… pareces o meu amigo Pedro que foi ver os Red Sparowes a Londres.
    Trouxe t shirts lindas!!! Ao estilo minimalista como eu gosto. Nem te apercebes de que banda é =)
    Até hoje só tenho uma t shirt de colour haze…

  14. Crestfall

    A minha t-shirt tb é :-P Fica é assim um bocadinho para o grande :-s Toda a gente comprou uma eheh.

    Colour Haze oo/

  15. ::Andre::

    No ano passado também fui a Londres ver os Sparowes. Quem olha para a t-shirt não se apercebe que é deles. Já a de Isis é dificil não se notar.
    Colour Haze? Nem o álbum tenho…

  16. Dermo

    já por isso compro smp S =)…ai ai só queria uma caixa daquelas que eles andavam a descarregar punha muito pessoAl com Isis ao peito =)

  17. Mastodon

    a minha tshirt de neurosis k vinha do hellfest foi roubada juntamente c a mala no aeroporto de nantes…chorem por mim isto sim é azar pagar e não ter tshirt

  18. ::Andre::

    nunca deixo coisas importantes irem na mala, vão à minha beira. não podias deixar a t-shirt de neurosis sozinha…

  19. Crestfall

    O seguro cobriu a perda (monetária)?

    O álbum~, qual? Tu ainda não ouviste nada de Colour Haze?!?!!?

  20. Viterbo

    As t-shirts eram mt fixes, fiquei arrependido de n ter comprado mais outra, alias até comprava a colecção toda incluindo a de Oxbow com o gajo nu

  21. Crestfall

    ahah tu bem que estavas a curtir as poses do Eugénio! Ainda ficaste com algumas libras para gastar no próximo concerto :-P

  22. Mastodon

    “…incluindo a de Oxbow com o gajo nu”

    fdx duvido da tua masculinidade…

    a mala nao era minha era dum amigo meu tipo ele posa a mala tira os bilhetes e essas cenas vira-se já nao ta la a mala disse k nao viu ninguem…ficou sem totil cenas e logo a minha shirt de neurosis…mtas lagrimas

  23. ::Andre::

    tavas lá mastodon? cá me parece que o teu amigo ficou foi com a t-shirt para ele :P
    limpas essas lágrimas e compra uma online, depois de um azar desses qualquer pessoa merece.

  24. Saturnia

    pronto eu confesso… a t shirt ja foi vendida no ebay
    MUAHAHAHAH

  25. Pedro

    Grande texto Crest. Fico contente por terem gostado,também não se esperava nada menos que memorável.