Londres pós-apocalíptico

A tal crise de valores que se fala há muito tempo começa a gerar o seu pior resultado em Inglaterra. Mas, ao contrário das pretensões fundamentalistas de grupos religiosos, isto não é o resultado da falta de valores espirituais. Isto é o resultado de uma sociedade que aniquilou a integração dos jovens na politica com medidas controversas e que afetaram brutalmente as classes mais baixas, que virou a cara a muitos problemas sociais que foram entrando em ebulição nos arredores das grandes cidades e, principalmente, uma sociedade que se esquece que adolescentes aborrecidos são muito perigosos. Numa cidade que os viu nascer e crescer, estes adolescentes, influenciados em grande parte pelas noticias de corrupção politica e por um mundo onde cada vez mais se sentem impotentes para serem os donos do seu destino, esta onda de violência gratuita é a única forma que encontram de fazer da cidade sua, de afirmar que eles estão aqui e que não devem ser ignorados. Mas, infelizmente, é também o resultado de uma anarquia pós-moderna recheada de revolucionários mimados que perderam o respeito por qualquer instituição social.

Isto é uma primeira análise muito vaga que faço sobre a situação que se vive no UK nos últimos dias. Para vocês, o que vos parece ser a causa destes distúrbios?

Comentários

Comentar
  1. Falta de educação, essencialmente. Não há influências externas ou falta de condições sociais que possam justificar actos aleatórios de violência gratuita .

  2. João Veiga

    >«adolescentes aborrecidos são muito perigosos» e «anarquia pós-moderna recheada de revolucionários mimados que perderam o respeito por qualquer instituição social»

    tal como o Zé disse, é apenas falta de educação. Têm tudo e são todos muita maus e grandes gangsters, tal como vêem nos filmes e nos seus compinchas chavs…

    imagino depois do primeiro dia, grupos de idiotas "txé xaval bora lá, bora lá que a bófia n faz nada!!1!!1one" :\

  3. ::Andre::

    A insegurança nos subúrbios londrinos é bem pré-Cameron e um dia rebentaria tal como chegará a vez de Lisboa mais tarde ou mais cedo. Exclusão social, sempre o mesmo problema onde nenhum dos lados pode apontar o dedo ao outro, mas concordo com o Zé e também condeno estes actos. O pior pode é estar para vir, basta que Londres contagie o resto do UK…

  4. Ricardo Proença

    Acho que nos estamos a focar a nossa análise nas temáticas erradas e para isso muito contribuíram as primeiras notícias veiculadas pela imprensa inglesa e a forma como alguma da nossa imprensa faz o seu trabalho de forma tipicamente sensacionalista.
    Aqui ficam algumas desmistificações dos mitos informacionais que foram sendo construídos nestes últimos dias:

    Mito 1 – Os motins começaram como retaliação de um gang de Tottenham pela morte de um dos seus membros/líderes numa troca de tiros com a polícia
    a) De acordo com a informação mais recente, não é linear que Mark Dugan, o indivíduo cuja morte dizem estar na origem dos motins, pertença a algum gang. O relatório da balística, publicado recentemente pela polícia britânica, desmente que esse indivíduo tenha disparado qualquer tiro contra os agentes contradizendo a versão inicial destes, indicando que a arma que, alegadamente, estava em sua posse não disparou qualquer tiro e nem terá sido utilizada. Mais, confirma, de forma categórica, que Mark Dugan faleceu com um único tiro no peito (Execução? Uso excessivo de Força?).
    http://www.guardian.co.uk/uk/2011/aug/08/mark-duggan-profile-tottenham-shooting
    http://www.guardian.co.uk/uk/2011/aug/09/mark-duggan-police-ipcc

    O que aconteceu foram manifestações contra a contínua repressão e violência policial que algumas destas comunidades sofrem, em particular os jovens que, ao encontrarem as forças policiais. tornaram-se mais violentas.
    Eu não estou a desculpar as comunidades ou os jovens. Bem sei que é difícil para os polícias trabalhar em áreas mais problemáticas económica e socialmente (eu vivo num bairro social) mas muitas vezes a acção policial é mal conduzida e utiliza força excessiva nos momentos errados.

    b) Os alegados motins que se propagaram a Londres foram manifestações de protesto na mesma linha das de Tottenham que se tornaram violentas depois da intervenção despropositada da polícia (existe um relato jornalístico de uma rapariga que foi agredida sem justificação).
    http://www.davidicke.com/headlines/51860-scrubbed-explosive-london-riots-bbc-interview-violence-sparked-by-police-beating-16-year-old-girl

    Continua

  5. Ricardo Proença

    Mito 2 – Os motins foram de tal ordem violentos que as forças policiais foram incapazes de conter a violência e evitar a destruição de lojas, habitações e outros estabelecimentos

    a) Existem vários relatos a indicar que as forças policiais limitaram-se a ver grupos de pessoas a destruir as lojas, carros, etc. deixando alastrar, de propósito, a destruição e a pilhagem. Estes relatos são comuns a pessoas que estiverem nos motins e a residentes e comerciantes das áreas afectadas.
    http://www.metro.co.uk/news/871655-tottenham-riots-police-stood-back-and-let-protestors-take-over-streets
    http://www.infowars.com/police-were-ordered-to-stand-down-as-london-burned/

    Tendo a polícia um mandato para proteger pessoas e bens esta atitude é, no mínimo, estranha. Sendo que esta foi uma conduta generalizada a todas as forças policiais dos vários locais onde ocorreram pilhagens suspeita-se da existência de ordens superiores para se comportarem dessa forma.

    Mito 3 – Os motins foram coordenados através das redes sociais, tendo sido em especial utilizado o serviço de mensagens instantâneas dos telemóveis BlackBerry.
    a) Não existe até agora nenhuma prova irrefutável de que os motins tenham sido organizados, previamente ou enquanto decorriam, através das redes sociais ou de qualquer outro meio de comunicação. Organizar um motim ou acção violenta não é a mesma coisa que mandar sms a dizer “Estou na Rua X. Vem ter comigo e com a malta para partir coisas”.
    b) O enfoque que está a ser dado à BlackBerry e ao seu serviço de mensagens instantâneas, quer pela comunicação social quer pelas autoridades policiais, tem apenas uma razão de ser – O serviço em causa permite trocar mensagens entre telemóveis de forma encriptada. Ou seja, as mensagens não podem ser lidas por terceiros a não ser que se altere o software que gere as aplicações e os respectivos servidores (criação de “backdoors”).
    http://www.guardian.co.uk/media/2011/aug/08/london-riots-facebook-twitter-blackberry
    http://www.guardian.co.uk/uk/2011/aug/08/london-riots-blackberry-messenger-looting

    Há uns meses atrás, o governo da Arábia Saudita (tal como outros governos que já o fizeram e conseguiram) fez um ultimato à empresa que produz o Blackberry (a Research in Motion) para permitir que os seus serviços de informação e segurança possam reter uma cópia e ler todas as comunicações que passem pelos seus telemóveis, inclusive as encriptadas.
    http://www.bbc.co.uk/news/world-middle-east-10888954
    http://www.engadget.com/2010/08/07/rim-averts-saudi-arabias-blackberry-messaging-ban-negotiates-s/

    Parece-me que o governo inglês também está a tentar fazer o mesmo mas utilizando este incidente como subterfúgio. O incidente poderá servir também para ilegalizar todos os serviços que possuam ou utilizem encriptação (ao associar essa técnica com actividades ilegais) e, num caso mais extremo, obrigar a acabar com a possibilidade de anonimato na navegação via internet (situação que está em vias de ser efectivada através de leis que se encontram em fase de discussão no Reino Unido e na EU) e submeter a aquisição de certos equipamentos electrónicos à emissão de licença (lembram-se das licenças de posse de isqueiro no tempo da ditadura em Portugal?)

    continua

  6. Ricardo Proença

    Mito 4 – Os motins são de origem étnica e ocorreram em áreas socialmente e economicamente precárias
    a) Embora os tumultos tenham começado num bairro de população maioritariamente negra e socialmente e economicamente precário não é possível caracterizar os locais e os participantes nessas acções como pertencentes a uma minoria étnica e provenientes de classes empobrecidas. Tal é demonstrado pelo perfil dos detidos pela polícia na sequência dos motins – “Não há mais rapazes do que raparigas, nem há predominância de minorias, étnicas ou religiosas. Não são todos desempregados ou estudantes sem perspectivas de futuro.”
    http://www.publico.pt/Mundo/os-criminosos-sao-operarios-estudantes-homens-mulheres-e-ate-criancas_1507183

    Para concluir,
    Eu acho que é preciso ter muito cuidado com as interpretações que se fazem e com as explicações que se dão num caso destes.
    A “ausência de valores de uma geração”, o “consumismo desenfreado” a “crise económica grave” são argumentos que explicam tudo mas que muitas vezes não explicam nada ou quase nada.
    Quem já leu o “1984”, “V for Vendetta” e o “Transmetropolitan” sabe que muitas vezes estes acontecimentos são criados e/ou ampliados pelos governos para daí retirar dividendos políticos e económicos, gerando o medo nos seus concidadãos pois o medo torna as pessoas burras e manipuláveis.

    Independentemente da vossa opinião sobre o assunto há factos que não podem ser ignorados sobre o que toda esta situação permitiu, nomeadamente:
    Facto 1 – Desaparecimento da discussão pública e mediática do problema das escutas do jornal “News of The World” que implicavam o actual governo inglês e as estruturas de informação e segurança (Serviços secretos, Scotland Yard), garantido muitos jornalistas que a continuar assim o governo teria de se demitir;
    Facto 2 – Desaparecimento da discussão pública e mediática sobre as propostas governamentais de privatização do Serviço Nacional de Saúde inglês e consequentes danos para as populações no acesso aos cuidados de saúde e sua qualidade.
    Facto 3 – Desaparecimento da discussão pública e mediática sobre a guerra ilegal que está a ser levada a cabo na Líbia NATO, EUA e UK, com o aval da ONU.
    Facto 4 – Desaparecimento da discussão pública e mediática sobre os preparativos para iniciar mais uma guerra ilegal desta vez contra a Síria por parte dos EUA e UK.
    Facto 5 – Nas locais onde ocorreram os tumultos e áreas circundantes impera um quase regime de lei marcial. Existem políticos até que já pediram a instauração oficial da lei marcial – e isso significa o fim das liberdades e garantias dos cidadãos – podes ser preso por qualquer razão e sem qualquer justificação e permanecer detido indefinidamente (eliminação do habeas corpus), não te podes deslocar livremente, tens de permanecer fechado em casa grande parte do dia (fim da liberdade de circulação), não te podes manifestar, tirar fotografias, vídeos, etc. (fim da liberdade de expressão, ou seja censura), não te podes juntar com outras pessoas na rua ou em locais públicos e, em certos casos mesmo em locais privados (fim da liberdade de reunião).

    Será interessante ver as cenas dos próximos capítulos para verificar de que forma é que estes motins vão ser aproveitados para avançar as agendas e os interesses das várias forças políticas e económicas.
    http://www.guardian.co.uk/uk/2011/aug/10/uk-riots-political-classes

  7. Scometa

    Concordo com muito do que dizes, Ricardo. Tenho tentado perceber até que ponto se vive numa sociedade que perdeu as suas referências, ou se os desordeiros estão realmente a canalizar anos de repressão e discriminação. E sim, é assustadoramente orwelliana a forma como as autoridades estão a lidar com isto.

  8. Scometa

    No entanto, ver que uma das detidas é uma miuda rica que foi gamar cenas no valor de 5000€ também reflete muito dessa anarquia world of warcraft que falei no post inicial

  9. João Veiga

    Ricardo… mas se uma pessoa se guia pelos relatos de notícias que aparecem, também não pode escolher só algumas :/ há *muita* gente lá que não vê isso dessa maneira nem diz tais coisas acerca da polícia…

    Achar que isto é uma golpada relacionada com o poder para desviar a atenção de outros assuntos é … bizarra. Até porque aposto que as pessoas que estão envolvidas nos protestos ou wtv desses outros assuntos, não os esqueceram e entretanto os tumultos já acabaram/amainaram bastante (tal como era previsível… são putos pá!).

    Lei marcial? lol ainda nem foi decretado o recolher obrigatório nem andam militares na rua.

    Ah e isso da BlackBerry fds sim… mensagens encriptadas?! WTF não admira que os traficantes andem todos com blackberries! Isso é ridículo! Por mim, que os serviços secretos saibam daquilo que eu consumo na internet e das SMS que envio e o caraças… Sinto-me muito mais seguro, do que se pensar que existe efectivamente uma maneira fácil de traficantes/milícias possuírem um meio de comunicação indetectável o_o

    Só mais uma coisa em relação ao facto da polícia não fazer nada e ficar a olhar… Tendo em conta que não havia polícias suficientes, acho que era o mais ajuizado. Não era por serem polícias a pedir muito que os putos iam parar, não é?

    Dizer que algo é um mito com base em "vários relatos" é um bocado … "meh" :P

  10. Ricardo Proença

    @Scometa

    Concordo contigo que de facto há muita gente que se aproveitou da situação e o caso dessa miúda é paradigmático dos valores errados que grassam em muita da juventude.

    Agora, se considerarmos que a sociedade está podre e se já não há valores ou pelo menos os valores da sociedade são os errados, então porque é que não temos todos os dias motins?

    Foi a conduta arrogante anti-democrática da polícia ao evitar prestar esclarecimentos sobre a morte de Mark Dugan à sua família que motivou as manifestações iniciais, que depois se tornaram violentas.

    Foi a conduta negligente da polícia do "podem partir e pilhar à vontade que não vamos fazer nada" que abriu as portas a que várias pessoas, que já de si têm os valores errados, se sentissem à vontade para dar largas a esse comportamento execrável.

    Já aconteceu o mesmo aquando do caso Rodney King, onde a absolvição ridícula dos polícias que o tinham agredido violentamente redundou em confrontos e deu origem aos motins de Los Angeles de 1992.

    http://en.wikipedia.org/wiki/Rodney_King

    Centrarmos a análise exclusivamente, ou em grande parte, na questão dos valores obscurece, neste caso, as verdadeiras razões do que se está a passar e da proporção que os acontecimentos tomaram.

  11. Ricardo Proença

    @João Veiga

    Os argumentos que dei estão todos fundamentados com fontes que podes consultar e fazer a tua crítica.

    1 – Dizes que "há *muita* gente lá que não vê isso dessa maneira nem diz tais coisas acerca da polícia…"

    Onde estão as tuas fontes?

    2 – Dizes que "achar que isto é uma golpada relacionada com o poder para desviar a atenção de outros assuntos é … bizarra."

    Não disse que os confrontos e os motins foram criados pelo governo. Disse sim que as forças policiais e o governo deixaram que eles tomassem estas proporções e agora estão a aproveitar-se para desviar atenção de outros assuntos mais incómodos e para fazer avançar a sua agenda de interesses.

    3 – Dizes que é ridícula a noção de ser imposta a lei marcial pois "ainda nem foi decretado o recolher obrigatório nem andam militares na rua."

    Não disse que tinha sido imposta a lei marcial. Disse sim que certos locais e áreas circundantes viviam num quase regime de lei marcial.
    Isso é verdade pois são vários os relatos de pessoas que para irem para casa são acompanhados pela polícia, têm que passar por barreiras policiais e são aconselhados a chegar cedo e a permanecer em casa.

    Engraçado tu falares que ainda nem foi decretado o recolher obrigatório nem há militares na rua, mas o próprio primeiro-ministro inglês admitiu ontem a mobilização do exército para as ruas e uma deputada avançou com a proposta no parlamento de implementação do recolher obrigatório.

    Para além disso, o próprio primeiro-ministro admitiu ainda controlar e censurar as redes sociais.

    http://www.publico.pt/Mundo/cameron-promete-travar-os-tumultos-e-admite-recorrer-ao-exercito_1507263

    http://www.reuters.com/article/2011/08/11/uk-britain-riots-cameron-idUSLNE77A02B20110811

    http://www.guardian.co.uk/uk/2011/aug/11/cameron-call-social-media-clampdown

    http://www.guardian.co.uk/media/2011/aug/11/david-cameron-rioters-social-media

    4 – Dizes que não te importas que os serviços secretos saibam aquilo que tu fazes na internet e todas as comunicações que efectuas.

    Acho isso uma posição irresponsável, mas pronto há gente que se dá bem a viver em regimes ditaturiais.

    O direito à privacidade é um direito elementar em qualquer país e sociedade democráticos

    As excepções a esse direito já existem e na suspeita de crime e depois de assinado um mandato judicial por um juíz as tuas comunicações relevantes para o caso (apenas essas) podem ser recolhidas e utilizadas pela polícia – sim pela polícia e não pelos serviços secretos.

    A encriptação é uma técnica usada para proteger as tuas comunicações de ladrões de identidade, crackers, regimes ditaturiais.

    Usar a encriptação não é sinónimo de ser traficante de droga como insinuas, senão caímos no erro de começar a banir jogos de computador só porque um maluqinho qualquer que assassinou pessoas tinha andado a jogá-lo na noite anterior.

    Como disse o Benjamin Franklin, "He who sacrifices freedom for security deserves neither."

    5 – Dizes que não havia polícias suficientes.

    Onde é que estão as tuas fontes?

    Tenho muitas dúvidas disso até porque o primeiro-ministro acaba de colocar mais 10.000 polícias na rua, num total de 16.000.

    http://news.yahoo.com/blogs/lookout/iconic-image-london-riots-190313631.html

    Ironicamente, só fez isto depois das coisas piorarem bastante e do grosso dos confrontos já ter diminuído.

    6 – Um dos significados da palavra mito é "Personagem, facto ou particularidade que, não tendo sido real, simboliza não obstante uma generalidade que devemos admitir."

    A utilização do termo é mais que pertinente, pois querem-nos fazer admitir/acredtiar em algo que não é real e isso eu não tolero

  12. João Veiga

    (2 e 3) tens razão… houve ali coisas que não tinha percebido bem do que escreveste (em relação à posição do governo principalmente). É verdade que as atenções se estão a desviar… Mas o caso do News of the World já tinha acalmado um pouco com as férias deles também…

    (5) Quanto a haver pouca polícia, havia mesmo, e isso é comprovado pelo facto de ter sido necessário destacar mais os tais cerca de 10000 para acalmar (e aparentemente resultou).

    Esses casos de pessoas que são acompanhadas pela polícia, se calhar são mesmo necessários, não?

    (1) E quanto a citar fontes, se quiseres mesmo eu posso linkar aqui o jornal da tarde de hoje da RTP1 e o telejornal de ontem lol. Cito as mesmas fontes que tu, pessoas e relatos apanhados por jornalistas ou publicados pelos próprios, como aquele da bbc que pus ali em cima.

    (5) Quanto à cena da encriptação, conseguiste descrever o problema bastante bem no teu texto. "as excepções a esse direito já existem e na suspeita de crime e depois de assinado um mandato judicial por um juíz (…)" É que é mesmo aí que reside o problema! Da maneira como estas comunicações são feitas na rede Blackberry, por muitos mandatos que tenhas, é impossível apanhá-las! :
    Eu não estava a dizer que QUERO que vejam todas as comunicações feitas e coisas partilhadas na internet. Não deixei isso claro… O que queria dizer era que, se se justifica no meio de uma investigação (por exemplo) a polícia judiciária (ou o equivalente lá… realmente qd escrevi serviços secretos não estava a pensar bem lol), tem de poder fazê-lo à vontade.

    (6) Mais uma vez expressei-me mal… O que queria mostrar com aquela frase era que estavas a dizer que alguns daqueles pontos não são reais (logo, mitos) com base em relatos, quando esses próprios factos/particularidades foram criados também com base em relatos.

    btw hoje um empregado da Waterstone saíu-se com esta num noticiário:
    «we'll stay open, if they steal some books they might learn something»

    lol