Marissa Nadler à deriva

A Marissa pega na folk rural de uma Sibylle Baier e adiciona-lhe a brisa fria da cidade, onde a voz arrepia e deixa-se perder numa introspecção à Mazzy Star. Há no seu último disco, Little Hells (2009), a vontade de querer experimentar que a aproxima de uma editora como a Young God do Michael Gira. Um bom disco que prova ser Marissa uma das residentes da casa onde PJ Harvey gravou o seu opus genial de loucura, ou loucrua, White Chalk (2007). Em Dezembro andará por Espanha, pode ser que não aguente com o frio e venha até cá.

Marissa Nadler – River of Dirt (vídeo)

Comentários

Comentar
  1. Pedro Nunes

    Não conheço a Alena, Tiago. Recomendas o disco deste ano?

    Nuno, concordo.

    pedro nunes

  2. Tiago Esteves

    Pedro, o To Be Still é um bom álbum. É neste onda e ambas as vozes têm semelhanças. Vou sacar este disco. Boa recimendação ;)

  3. celtic

    Gosto muito. Já a Alela achei chatinha ao vivo, pelo menos. Não cheguei a ouvir nenhum álbum, que me lembre..

  4. Tiago Esteves

    celtic viste no Primavera? Curtiste o baixita? LOLOL ganda marado lolol Tb achei um pouco chato, ao fim de uns 30 minutos já estava a soar tudo ao msm : Mas até gosto da rapariga

  5. celtic

    Vi sim! O baixista? Não era uma gaja? Parecia que estava a dar um concerto de métáu enquanto o resto da banda estava numa toada choninhas. Ao fim de 25/30min fui lá para fora ver um bocado de Shearwater e preparar a barriga para Jesu..

  6. Tiago Esteves

    És capaz de Curtir Pedro.

    Celtic, era um gajo lololol o baixista estava devidamente excitado para o tipo de som que era lolol Eu admito que tb n vi td :D Fui comer e guardar lugar na grade pa Jesu :D