Mono + Microphonics: assim foi

Jorge Silva

Jorge Silva

Jorge Silva

Jorge Silva

Jorge Silva

Jorge Silva

Jorge Silva

Jorge Silva


Cult of Luna esgotou, “Anathema” esgotou, Metz esgotou e Mono… nem mais uma alma caberia na sala. Obrigado a todos pela companhia, esperamos mesmo que se tenham divertido nestes primeiros 4 eventos de 2013 e continuem atentos à nossa programação. Quanto a Sábado em específico, não vamos partilhar qualquer palavra, queremos guardar todas as memórias, emoções e arrepios durante muito tempo. Quem lá esteve concorda connosco… Até já!!!

Comentários

Comentar
  1. Sérgio Rodrigues

    Mono foi algo de único. Um grande concerto, com um som muito bem feito (um dos melhores que já ouvi no HC), que permitiu que todo o pormenor e energia das músicas deles pudessem ser apreciados em toda a sua plenitude. Ficaria a ouvi-los mais uma data de horas.
    Microphonics foi, também, de grande nível. Excelentes as paisagens sonoras criadas pelo Dirk Serries.
    Obrigado Aplificasom :-) !

  2. Gustavo Fernandes

    Bem, poderia começar por dizer que são os reis do “post-isto” e senhores do “post-aquilo”, ou que senti com cada música do alinhamento, mas o concerto de MONO para mim, extrapolou o âmbito musical.

    Foi uma experiência física, sensorial, afectiva…tudo ao mesmo tempo! Dei por mim a pensar, entre outras coisas, na minha família (mesmo antes de me ocorrer ao pensamento toda a temática que eles envolveram no último álbum). Se noutros concertos o fumo do palco tem ligação com o caminho mais ou menos obscuro que a música leva, o fumo no palco de MONO significa energia, significa oxigénio no seu estado mais puro a ser emanado para atmosfera…juntamente com as projecções das células, lembram-me que o que se está a passar ali é uma injecção de vida através da música.

    Dado que não usam um palco muito preenchido, o que se acaba por destacar é o enorme prato Gong atrás do baterista. Para mim, não poderia ser uma metáfora mais perfeita de um concerto de MONO: assume contornos de um Portal pelo qual somos convidados a entrar e, uma vez dentro, obrigados a ser felizes durante (pelo menos) 100 minutos.