Old School, New Students

A facilidade de acesso proporcionado pela Internet a inúmeras formas de expressão musical terá potencializado e até vulgarizado o ecletismo entre entusiastas da música. Como adepto de diversos estilos, é comum passar por fases em que praticamente só ouço música dentro duma certa sonoridade. Ultimamente, tenho dedicado bastante tempo ao Death Metal de toada mais clássica, vulgarmente referenciado como Old-School Death Metal, ou pelo simpático acrónimo OSDM. Feita a introdução, eis duas propostas que me têm entretido nestes últimos dias:

Miasmal

Honestamente não há aqui nada de muito original, até pode parecer um pouco derivativo para aqueles bem versados no género, mas tudo é feito com semelhante competência e mestria que torna difícil evitar comparações com os pilares do Death Metal Sueco, donde aliás saiu esta banda. No meio do groove pesadão e dos riffs raivosos, é possível descortinar uma influência Crust, que ajuda a imprimir um certo sentido de urgência num género cada vez mais calculado e clínico.

Bones

Fazer comparações directas com os Entombed circa “To Ride, Shoot Straight And Speack The Truth” seria o mais fácil e o assunto ficava arrumado. Mas isto não se trata de Death n’Roll. É Death Metal sim, pujante e agressivo mas surpreendentemente bem-disposto, quase celebratório. A entrega é directa e simples, sem recurso a overdubs, fazendo jus à velha máxima “menos é mais”. Dos discos de DM mais divertidos que já ouvi.

De referir que se trata de duas estreias, demonstrando (uma vez mais) que a boa música, independentemente do género, nunca irá soar datada.

Comentários

Comentar