Os discos de uma vida: uma questão mais difícil do que parece ser

Para a minha estreia neste espaço – que respeito e consulto diariamente –, tentei finalmente submeter-me a um exercício que, de ora em vez, surgia em conversas de café ou em divagações existencialistas: afinal, qual é o disco da uma vida? A nossa banda-sonora para aquela ocasião marcante dos anos que carregamos às costas?

À primeira análise, e como seres pensantes e dotados de inteligência que somos, sabemos que as nossas vivências e interacções (o que me levará a um texto nas próximas semanas, mas lá chegaremos) não se somam em números. Óbvio, não é? Tal como as estações do ano, ultrapassamos fases diferentes (com degelos e aquecimentos globais incluídos), logo é impossível eleger um só trabalho.

Confesso que tentei mesmo acabar o exercício, mas quando me apercebi, a lista já ia em qualquer coisa como 42 volumes… Obviamente que desisti do processo, mas deixo aqui alguns dos autores dos “discos da minha vida”; Jeff Buckley, Morphine, Portishead, Interpol, Joy Division, Radiohead, My Bloody Valentine, Isis, Smiths, Mazzy Star, Black Sabbath, Cult of Luna, José Mário Branco, Zeca Afonso, Tool, Beatles, Ali Farka Touré & Ry Cooder, Sun Ra, Genesis, Rodrigo Leão, Blonde Redhead, Bill Fay, Silver Mt. Zion, Sigur Ròs, Joni Mitchell, Cocteau Twins… Este é O eterno dilema de quem gosta de música.


Ainda assim, as minhas escolhas permitiram-me retirar algumas elações. A primeira é que raramente ouço 2/3 dos álbuns que mais me marcaram. Ora porque estes me levam para anos passados – e nós, animais de memórias, nem sempre gostamos de nos recordar do que está para trás –, ora por se tratarem de preciosidades tão especiais que preferimos guardar a sua audição para ocasiões e estados de espíritos igualmente preciosos. Contudo, a conclusão mais básica prende-se com a actualidade: haverá ainda originalidade musical? Ou será que necessitamos de uma originalidade quando o maior de tudo reside nos clássicos? Será que estas questões, sequer, interessam? Isto é, ao absorvermos algo novo, acabado de nos chegar aos ouvidos, é impossível não pensarmos: “Ah, isto recorda-me de X”. Ou, por outro lado: “Esta passagem faz-me lembrar aquilo que o Y fez no disco Z”.


A pergunta que se impõe a partir desta conclusão: será que toda (ou a grande maioria) a música dos anos 90 e 00 não é mais do que uma reciclagem? E que, como tal, temos mais pré-disposição a gostar de algo “novo” que nos recorde os nossos “discos de uma vida”? Na próxima semana, aprofundarei estas perguntas. Até lá, digam de vossa justiça.

Comentário

Comentar
  1. Gustavo Fernandes

    Quanto mais música ouço, mais “discos de uma vida” tenho!
    Não acho que a música dos anos 90 e 00 seja reciclagem. Seja 90s, 00s, 60s, 50s…acho que sempre existiu boa música e má música, música inovadora e revivals.
    Quanto à originalidade e ao soar a X ou a Y, recordo a resposta de um vocalista (Napalm Death?) à pergunta “que música ouves?” cuja resposta foi “ouço um pouco de tudo…Swans antigo, Swans novo” :D