Rapidinhas…

Aidan Baker & Tim Hecker – Fantasma Parastasie [Alien8 Recordings 2008]
Ainda ontem falava do Fennesz e aqui está um belo álbum para qualquer apaixonado do austríaco. Aliás, arrisco-me mesmo a dizer que quem o conhece conhece obrigatoriamente o Hecker, a diferença entre ambos é que o Fennesz explora a guitarra nas suas composições. Aqui, Tim é acompanhado pelo guitarrista e cérebro dos monstruosos Nadja Aidan Baker e o resultado final é maravilhoso, uma escapadela paisagística perfeita para este Outono. Pena ser uma edição de 500 cópias, de resto 10/10.
Bohren & der Club of Gore – Dolores [PIAS 2008]
Não sei porquê que só agora conheci estes alemães (foi com o Black Earth há umas semana atrás), mas vem no momento certo. Quer dizer, não sei se há um momento ideal para um som deste calibre. Tenho-o ouvido muito, acompanhado da chuva, mas imagino-me perfeitamente a ouvi-lo numa madrugada de verão à beira-mar. Mais, isto é som para os meninos e as meninas se enrolarem na cama e ter um bom momento de romance. Agora a sério, não compreendo como é que não há um hype enorme à volta desta banda, consigo-os colocar numa prateleira de um fã de Avant-Metal como de Jazz, mas também pouco me importa. Vou continuar a ouvir e ouvir, não há nada mais apaixonadamente relaxante que isto.

Ps: a edição americana (Ipecac) tem um tema extra, se alguém o tiver por aí…
James Ferraro – Marble Surf [Volcanic Tongue 2008]
O senhor Ferraro é um dos elementos dos Skaters, banda que virá ao Porto dia 28 deste mês, e esta nova K7 (sim, essa coisa que já ninguém usa) é mais uma das dezenas de lançamentos (k7s, cdrs, etc) em que o James edita/ colabora por ano. Dois temas de cerca de 20 minutos que são uma delícia para qualquer fã do drone. O gajo não pára, mas também nunca aborrece.

Long Distance Calling and Leech – Split [Viva Hate Records 2008]
Já conhecia os Long Distance Calling, mas a minha curiosidade neste split centrava-se nos suíços Leech. Bom som, algumas boas ideias, mas continuo a ouvir os mesmo riffs de sempre. Ao quinto tema, segundo dos Leech, lá está o riff da “In Fiction” dos Isis mais uma vez… Fãs de pós-metal, espreitem, o resto pode passar à vontade.

Comentários

Comentar
  1. Burocratik

    Sobre esse riff da “In Fiction”, isso já foi descutido por aqui? Sabem de onde conhecem o original? É orelhudo o suficiente para ser ou brilhante ou conhecido mas nunca me chegou à memoria de onde virá :)

  2. Pedro Nunes

    Que mais se pode pedir? O grande Tim Hecker e o Aidan Baker… Muito curioso para ouvir isto.

    Gosto muito de Bohren, O Black Earth é um clássico.

    Realmente não é fácil acompanhar as edições da malta dos Skaters. Vou procurar essa tape….

    Por aqui roda:

    Blevin Blectum – Gular (electrónica marada, ainda só rodou uma vez)
    Country Joe And the Fish – Electric Music (um clássico de rock psicadélico)
    Don Caballero – Second (jazz-rock, grande disco)
    Drip House – 1 k7 (duas músicas, dois dronezitos)
    Ex Models – Zoo Psychology (uns locust versão new wave, cansou um bocado)
    Tomahawk – Mit Gas (muito fixe)
    Feist – Let it Die (a rodar mais na próxima semana)
    The Alps – III (psicadelismo, floydismo..)
    The Notwist – Shrink (ainda a rodar o clássico)

  3. ::Andre::

    burocratik, de quem é? Não é dos Isis?

    Muito bom Pedro, Baker com o Hecker tá muito fixe.

  4. Burocratik

    sim é dos isis, mas quando eu ouvi isso pela primeira vez suou a qq coisa conhecido e lembro-me que havia uma polémica por vários foruns… Como falaste do riff ;D