Rapidinhas no fim-de-semana

Coalesce – Ox [Relapse 2009]
Já os conhecia, mas foi num acordar lisboeta em casa da menina dos açores que me lembrei da sua existência. Este fim-de-semana rodou imenso e há que dizer que é um disco do caraças. Não se ouvia nada novo destes senhores desde ’98, é um dos “comebacks” do ano, sem dúvida! Selo Relapse!

Donnacha Costello – Together is the New Alone [Mille Plateaux 2001]
O JKB afirma numa entrevista (alguns posts abaixo) que Donnacha é uma influência não só para a fase mais electrónica dos Jesu mas para a concepção da banda em geral. Saquei o disco, ouvi, re-ouvi e… sim, é bonito. Mas, como este Donnacha há imensos projectos. Talvez me esteja a faltar situar-me cronologicamente no mapa deste espectro, algum googlar também..De qualquer maneira, nada de especial.
Fucked Up – The Chemistry of Common Life [Matador 2008]
Outro disco que estava para ouvir há n… Hardcore que não é hardcore que tanto consegue ser caótico como melódico. É o tipo de banda que imagino a passar na MTV e a seguir rodar no meu carro, o tipo de banda que devia estar em Coura em vez dos Hives? Hardcore? Hives? Confusos? Rodem isto numa festa e terão festa.
Jolie Holland – The Living and the Dead [Anti 2008]
Diz o site da Fnac que “Se fosse um filme, teria Jim Jarmusch como realizador… o que tem uma certa lógica pois a ANTI é a editora da Jolie e do Tom Waits (e o Tom Waits é a estrela preferida do Jarmusch). Ela compôs as músicas deste novo disco a viajar pelos E.U.A. por comboio.” Eu deixei-me levar ou não fosse Jarmusch um dos meus realizadores preferidos. O problema foi mesmo o disco, não encontrei nada com que me identificasse nem o som é aquilo que espelha os filmes dele. Opiniões…
Pelican-Kayo Dot-Steve Bredsky-Zozobra – Champions of Sound [Hydra Head 2008]
Split de 7” porreirinho, óptimo para coleccionadores. Pelican a mostrarem que em acústico também são muito bons, Kayo Dot com novo tema, Steve (ou Stove?) numa brincadeirinha qualquer, e Zozobra a bombar. Foi editado com o pretexto da tour que uniu estas quatro bandas e vale bem os dólares que se pede por ele.
The Mars Volta – Octahedron [Warner 2009]
Eis uma banda adormecida, uma banda cujos últimos álbuns foram tal bocejo que nem tencionava ouvir este disco. Mas, como confio no bom gosto da Rock-A-Rolla (MV são capa da nova edição) decidi dar uma oportunidade. E dei, custou ouvir o álbum do início ao fim, mas dei. Lamento que estejam em piloto automático há muito tempo, lamento mesmo. É verdade que pretendiam com este quinto álbum um registo mais calmo, mas… não arriscam, têm tiques de vedetas, não trazem nada de novo… Enfim, quem os ouviu e quem os vê…

Comentários

Comentar
  1. celtic

    Concordo com tudo (bem, ainda não ouvi os 2 primeiros).

    Fucked Up ali ao lado foi a festa.

  2. tremulant

    Concordo com parte do que dizes:
    Realmente os ultimos 2 albuns, bem ouvi, bem tentei ouvir varias, muitas vezes, mas nunca achei superiores aos 2 primeiros (mal conheço o bedlam..nao consigo ouvir sem cansar).
    No entanto, este entrou-me logo no ouvido. Adorei a 1a musica, logo à primeira audição, e fui descobrindo as outras músicas aos poucos.
    Penso que já fizeram melhor, é verdade… mas mesmo assim, digo que este está muito bom!

  3. Crestfall

    Daí só ouvi mesmo Fucked Up na altura em que foi bastante hyped, mas não entrou. Se calhar eu não estava numa de festa.

    Coalesce tenho aqui (não te sabia adepto). The Mars Volta ainda não tenho e apesar das tuas palavras ainda há esperança :-s
    Amas o Jarmusch!

  4. António Pita

    Também ouvi aquilo do Costello e meeh, concordo com o que se diz.

    O split já ouvi depois de o ver aqui e sim senhor, bela peça.

    O Octahedron também me parece mais fraquinho…Mas gostei muito do Bedlam.