RIP Erland Josephson

Foi mais que um amigo, cúmplice e até alter-ego de Ingmar Bergman. Deu alma a filmes de Tarkosky, Kaufman e Liliana Cavani; escreveu peças, contos, poemas e roteiros; foi director do Real Teatro Dramático e do Instituto Sueco de Cinema. Mas, era com o realizador de Scenes from a Marriage que estava ligado artisticamente e que realmente fez história.

Vi-o pela primeira vez exactamente nessa obra-prima e nunca me irei esquecer da sua presença, da sua cara, da sua voz. Em todos os filmes que via, impressionava-me sempre com tudo que ele transmitia, com tudo o que deixava ficar em cada cena.

Deixa-nos aos 88 vítima de Parkinson e, se ontem Max von Sydow tivesse ganho o Oscar, o dia teria sido menos triste. Não que a estatueta dourada signifique alguma coisa, muito menos para Erland que chegou a fazer o comentário em baixo após o convite para a sequela do Tubarão, mas consolava. Ontem consolava. Rest in Peace.

I rather have intellectual battles with Liv Ullman, than fighting with some shark.

Comentário

Comentar
  1. Beto

    Gostei de ver esta menção aqui. Ainda não vi esse filme, mas todos os que vi dele, nunca me defraudaram. A sua presença era brilhante. Foi um dos maiores de sempre, juntamente com quase todos aqueles que orbitavam á volta de Bergman.
    Essa frase é deliciosa!