Sábado há baile na Casa da Música!!! Entrada livre!!

Cibermúsica, 23.00
The Wire Magazine presents Below The Radar:
More Outsider Music From The UK
John Wall & L Gamble
Astral Social Club
Infinite Livez Appleblim (Skull Disco) DJ set
Bar, 23.30
Junior Boys (Jeremy Greenspan DJ Set)
Daniel Wang
Corredor Nascente, 0.00
Notas & Trocados
The Bug
Estradasphere

Comentários

Comentar
  1. ::Andre::

    hoje na Casa Viva:

    21h00 entrada livre

    Rinus van Alebeek (Holanda)
    Manipulador de objectos sonoros, gravações de campo e outras fontes de som, alia a composição electroacústica ao surrealismo e a uma visão intensamente pessoal do acto musical.

    Há várias maneiras de classificar a música de Rinus van Alebeek, segundo o próprio: ”Chamem-lhe música concreta, porque uso fita magnética; chamem-lhe noise, porque por vezes é ruidosa; chamem-lhe dark ambient, porque é um termo de que as pessoas gostam; chamem-lhe industrial, porque ocasionalmente há alguns drones. Chamem-lhe poética, porque querem afastar-se das definições habituais, ou chamem-lhe paisagens sonoras, porque leram um livro sobre isso. Eu chamo-lhe pop, e sei que já somos em número suficiente em todo o Mundo para que esta definição se justifique.”

    Um dos seus instrumentos de eleição é o walkman, que esteve na base de um dos seus trabalhos mais celebrados, “Love Letters From Africa”, uma série de gravações de transeuntes na Nigéria e Camarões a lerem diversos emails com o habitual esquema de “eu sou um africano rico que só precisa de um empréstimo para poder recuperar a minha fortuna e devolverei o dinheiro com juros” que já fazem parte do dia-a-dia de quem utiliza o correio electrónico. As gravações das leituras, com o fundo sonoro das ruas de cidades nigerianas e cameronianas, foram enviadas pelo músico para a sede do FMI.

    http://www.myspace.com/rinusvanalebeek

  2. the_Gathering

    Tenho a imrpessao de que nao e tudo de borla la na Casa da Musica!! Para Estradasphere pelo menos acho q se paga :S

  3. ::Andre::

    Gente, se fosse a pagar eu não escreveria “entrada livre”. Nestas coisas confiem em mim :P
    Resumindo, tudo o que coloquei no tópico não se paga mas se duvidarem e não forem por mim tá-se bem, fico com mais espaço ;)

    Nunes e Crest, tamos lá? Há aí cenas imperdíveis…

  4. Pedro

    Sim estou lá. Quero ver as cenas da Wire (vai ser em que espaço da Casa da Música?). É uma merda os concertos da Wire arriscarem ser em simultâneo com os do Corredor Nascente… gostava de ver os dois. Junior Boys :p

  5. lovers &

    o único sitio que se paga é na Sala 2 (Asobi Seksu).
    Aproveitem que a partir de janeiro os concertos nestas áreas vão custar 5 Euros.

    Fua

  6. Crestfall

    >Eu li 20Eur e na página da CdM continua a dizer 20Eur… :-\

  7. Saturnia

    os Estradasphere tocam em Lamego este domingo às 15:30 no Salão Nobre dos Paços do Concelho a entrada é gratuita para quem não puder ir à Casa da Música.

  8. amebix

    Não perder o Kevin Martin e tentar ver Astral Social Club

  9. Pedro

    Ahahaha The Bug foi A RAVE! Da Wire não consegui ver o concerto todo de Astral Social Club e não gostei do pouco que vi de John Wall & Gamble. Estradasphere foi muito bom, mesmo estando confinados aquele formato acústico que despe as suas músicas mas engrandece o talento do trio.

  10. ::Andre::

    “Muito bom” é exagerar, foi porreirinho e fico à espera da banda toda. Pouco me interessa se têm talento ou não, quero é que mexam comigo, e nessa noite Bug é que foi do caraças. Quanto à wire, o cartaz era muito fraquinho e pouco diversificado. Nem Astral Social Club salvou.

    saturnia, foste a lamego? como foi? belo passeio mas este ano para mim acabou…

  11. Saturnia

    André não cheguei a ir. Cá no Porto como foi? Sempre foi de graça?

  12. Pedro

    Sim saturnia foi de graça. André quanto a Estradasphere falei em talento porque transpor aquelas músicas para formato acústico e mesmo assim arrancar dali alguma intensidade e diversidade é de muito valor.

    Mas sem dúvida que The Bug arrasou tudo.

  13. ::Andre::

    Foi de graça, tal como eu disse só a sala 2 se pagava. Não perdeste nada de maravilhoso mas valeu a pena e notou-se verdadeiramente o potencial da CdM. Tinhas várias coisas a acontecer em diferentes salas (e salinhas diga-se), foi porreiro e devíamos ter mais noites destas. O que mais desiludiu foram os projectos da Wire mas já nem para a própria revista tenho paciência…

    Giro giro foi ver o Pedro de copo na mão a curtir o dj set de Junior Boys ahah :P