Sam Shalabi – Eid (Alien8 2008)

Sam Shalabi é o nome dado ao projecto para o guitarrista dos Shalabi Effect poder continuar com as suas explorações sónicas. EID foi fumado em várias paragens, Cairo, Montreal, Vancouver… sempre tentando absorver as diferentes culturas musicais e mesclar isso abdicando de qualquer livro de regras… Os recursos utilizados foram imensos, desde cantores locais do Egipto, guitarras barulhentas, secções de cordas, sons de rua, saxofones, conversas ocasionais etc….
Uma coordenada essencial nesta viagem são os sons provenientes do Norte de África e Médio Oriente. O resto vem por devaneio, pelo sonho, música psicadélica, Noise, Avant-garde, Post-rock, Pop, Surf Rock, Jazz, fanfarras embriagadas, cânticos tradicionais etc…. Parte deste exotismo que depois resulta numa sonoridade única faz lembrar um pouco os Japoneses Ghost que no disco Hypnotic Underworld deram-nos um tesouro. Em EID ouvimos ragas desfilando no corpo do Oud sempre em busca daquele ponto transcedental de quem passa muitas horas a delirar com o sol e quer algo mais. Tudo isto quando ainda vamos a meio do disco… Na parte seguinte ainda recebemos Noise Lo-fi da corrente eléctrica Whitehouse, baladas negras que poderiam ser da Jarboe mas aqui saem de outra voz de luxo, Elizabeth Anka Vajacic, free-folk à Akron/Family entre outros(as)…. Excessivo? Confuso? Eu prefiro Brilhante.

Ouvir: Sam Shalabi – Jessica Simpson

Comentários

Comentar
  1. ::Andre::

    eu tou confuso. tens aí frases que me convencem completamente e outras que me afastam. vou ouvir essa “jessica” para tirar as dúvidas…

  2. João

    a parte seguinte ainda recebemos Noise Lo-fi da corrente eléctrica Whitehouse.

    eu pensei que whitehouse e lo-fi nunca estariam na mesma frase :D

    eu ate gostei.

  3. Pedro

    noise lo-fi da corrente eléctica Whitehouse é uma frase feliz. Espero que chegue para iluminar algumas mentes…

  4. Pedro

    andré percebo o teu estado de dúvida… este disco tem dinâmicas que nem sempre se complementam… cada uma vale por uma viagem. essa música a jessica simpson é quase world music tradicional mas não representa a toada geral do disco….

  5. Pedro

    joão, se fosse a debater todos os pontos que não concordas estava lixado… :) (opinião justa claro) o lo-fi inserido nessa frase é para invocar uma estética sonora pela forma algo limitativa como se captam certos sons que acabam por se tornar “noise”… mas agora não me peçam para falar sobre os Whitehouse, banda que já fez coisas geniais e outras das mais fracas que já ouvi na vida…

  6. Pedro

    eu gosto…. torna-se cansativo ouvir de uma só penada por causa da quantidade de influências/sons…. mas todas as músicas são boas.

  7. João

    whitehouse é brutalissimo :D

    so a cena neste racket com os bongós :D

    no dia em que eu concordar com algo tb :|

    ja que se fala em noise , novo prurient :o

  8. Crestfall

    Gostei da capa. A sample não me despertou grande interesse… achas que arrisque no disco?

  9. Pedro

    As músicas são todas diferentes, quase como se fosse uma compilação de diversos artistas… se quiseres arriscar saca o disco todo…