Sobre a Crítica

Eu tenho andado a meditar sobre o poder da crítica, e do quanto ela pode passar de uma análise profunda dos conceitos apresentados para pura masturbação intelectual. A dicotomia que se abre aqui parte do pressuposto pouco igualitário de que a opinião de uns vale mais do que outros. Eu próprio caio muitas vezes neste erro, de pensar que como estou mais informado sobre determinado tema, terei mais “autoridade” para elaborar uma crítica do que alguém menos informado. Sucede que este pensamento é em si próprio uma forma de discriminação cultural, uma hierarquização do poder da crítica e de quem o exerce. Se por um lado o crítico informado pormenoriza os seus argumentos com base num conhecimento e estudo alargado, por outro lado o mesmo acaba quase sempre por descurar a opinião menos académica, colocando-a no fundo do baú, estabelecendo hierarquias não-dialogantes.

O fenómeno da Internet, dos blogues, das redes sociais e as baixas pressões do anti-ciclone dos Açores, deram a oportunidade a qualquer ser humano de poder expressar a sua crítica. Chegamos ao mundo dos auto-didatas, ou dos simplesmente aficionados por certos temas. E eu dei por mim a seguir-me mais pelas críticas destes surfistas da web “menos informados” por uma simples razão: quando a crítica se eleva sobre si mesma numa metafísica puramente analítica, quando a análise de determinada obra se prende apenas no argumento se esta usou de forma correta o plano americano, a exposição da luz, a conjugação das cores ou estruturas rítmicas – em suma, quando a obra se desumaniza na crítica abstrata afasta-se do tal espírito apolíneo nietzchiano, tornando a arte numa forma de elitismo semi-fascista.

Amanhã teremos provavelmente as sábias palavras de alguém que considero ter um poder de crítica (neste caso em matérias de cinema) absolutamente assombroso. Falo como é óbvio do Sr. Pedro CinemaXunga. Conseguimos perceber que há ali um profundo conhecimento da técnica cinematográfica ou da estrutura de guiões, mas o que o Pedro faz é manter uma linguagem que não desumaniza a observação da obra, que não pretende ser académico, e que acaba por encontrar eco em muitos de nós, tudo isto escrito com um domínio da lingua-mãe de se lhe tirar o chapéu. Se num Vasco Câmara encontramos um Wittgenstein e tudo aquilo que é, numa palavra, BORING, com o Pedro temos um mix de Quim Barreiros com Fernando Pessoa – e digo isto como o maior elogio.

O poder da Internet está mesmo aqui, onde posso ir a um forum e ver um user, nos tópicos sobre cinema, colocar os posters de filmes que viu e criticá-los de forma tão perspicaz como “Gostei”, “Tá bom”, “É naquela”, e eu, percebendo qual o seu gosto cinematográfico, consigo saber se devo ou não ir ver um filme apenas baseado nesse seu poder de síntese. A verdadeira democracia está aqui, isenta de elitismo desagregador, e sei que muitos de nós, quando queremos saber algo sobre determinada coisa, vamos a um forum ou a um blogue, em vez de ir a uma revista ou jornal ou programa de tv.

Terminando, acho que não devemos fazer o exercício contrário, ou seja, descurar a crítica académica em detrimento da mais visceral. Se, por exemplo, eu me identifico mais com certo tipo de critica, também leio não raras vezes as críticas dos mais ilustres conaisseurs da matéria em causa. Interessa então encontrar este balanço, como em tudo na vida.

Comentários

Comentar