Sons do Mundial: Paraguai, Eslováquia, Holanda e Japão

Ciao! Paraguai e Eslováquia… Holanda e Japão não é assim tão difícil, principalmente este último do qual todos os dias surgem novos e interessantes projectos.

Comentários

Comentar
  1. James

    então;
    Paraguai & Eslováquia: Não tenho nada nem conheço :s

    Holanda:
    – Born From Pain (para quem gosta de Metalcore)
    – Sara Bareilles (mais pop)
    – Within Temptation (para n faltar ao respeito :p)

    Japão:
    – Polysics (sem dúvida!)
    – Maximum The Hormone (mais Metalcore) :)
    – Tokyo Ska Paradise Orchestra (skazinho)
    – Dier En Grey (Metal / rock alternatico bem rasgadinho!)

    é só

  2. nuno Koglek

    Do Japão, os Boris…
    Da Holanda, 35007, Gomer Pyle (ainda ouvi pouco, mas gostei)

  3. ::Andre::

    Filipe, chegaste a ver Corrupted ao vivo?

    Tava aqui a pensar que não deve haver nenhuma banda holandesa que me deixe maluco…

  4. falsoguru

    japao:
    -downy (post-rock/ambient/post-metal/shoegaze/radiohead)
    -Supercar (altrock/electronic)
    -Coaltar of the Deepers (shoegaze/post-rock/thrash metal/electronica/neo-acoustic/bossa nova)
    -Walrus (shoegaze)
    -heaven in her arms (screamo/postrock)
    -naiad (metalcore)
    -Rin Toshite Shigure (IndieRock, ProgRock, Post-Hardcore)

    holanda:
    -textures (prog metal)
    -exivious (de onde veio metade dos "novos" cynic)

    ps:quando é que trazem os envy?lol

  5. nuno Koglek

    Ei, do Japão esqueci-me dos Flower Travelin' Band, para muitos os pais do heavy psych, como Earthless por exemplo…

  6. Filipe Santos

    Nunca vi Corrupted ao vivo! A ver, talvez pro ano no Roadburn… Toner Low é mt aconselhável para quem gosta de Ufommamut, por exemplo. Tb curto mt Gomer Pyle

  7. Ocelot

    Holanda:

    Epica
    After Forever
    Sun Caged
    Ayreon

    Japão:
    Mono
    Dir en Grey

  8. Susana Quartin

    Dir en Grey acho horrível :/.

    Bem, coisas que conheci recentemente não me lembro, mas dois bons projectos:

    Japão: Melt-Banana
    Holanda: Gnaw Their Tongues

  9. Rodolfo

    japão: tantas tantas que só vou referir Merzbow (hell, porque não?)

    holanda: Rinus van Alebeek; boa cena experimental à volta de fitas magnéticas gravadas e que até vai tocar hoje na Casa Viva (de borla, comme d'habitude) e tudo!

  10. Pedro

    Paraguai, Eslováquia e Holanda… está difícil. Mas no que ao Japão diz respeito, nos últimos tempos tenho descoberto – ou aprofundado o conhecimento de – vários projectos interessantíssimos vindos desse país. Mais recentes ou mais antigos, entre novas bandas preferidas (Boredoms, Boris, Melt-Banana) ou candidatos a tal (Fushitsusha, Number Girl), ainda nenhuma destas incursões me desiludiu.

    A última boa surpresa foram os Suishou No Fune, um duo (duas guitarras e duas vozes) psicadélico a fazer lembrar os momentos mais belos de Fushitsusha, muito aconselhável aos fãs dos mesmos. O Prayer For Chibi é uma indescritível viagem de 2 horas que bem podia não ter fim.