Tides – Resurface (2006)

Há uns tempos discuti com um amigo se as bandas instumentais estavam na moda ou se era o facto de apreciarmos este estilo que nos levava à procura de mais. Não sei se chegamos a alguma conclusão mas isso agora também não interessa. O que interessa é se a banda é boa ou não, certo? E neste caso é.
Os Tides vêm de Nova Iorque e acabam de se estrear nestas lides com “Resurface”, editado pela Teenage Disco Bloodbath Records (pior nome de sempre?). Recomendado a fãs de Pelican, Red Sparowes e por aí fora, creio que não desiludirá também aos fãs de Isis ou Neurosis. Aliás, em certas ocasiões lembram-me os primeiros mas sem voz, claro.
Como o Jorge disse anteriormente, estes álbuns não precisam de palavras, precisam é de serem sentidos.

Comentários

Comentar
  1. Crestfall

    Na moda não estão, nunca estiveram. Podem estar na moda dentro de um determinado nicho de mercado. A maior parte das pessoas deve pensar na música instrumental como música de elevador ou meramente ambiental. As pessoas gostam é de cantarolar :-)
    É um facto que tem surgido muitas bandas interessantes a praticar este tipo de som, mas não deixa de ser uma sonoridade para uma pequena minoria. Se não gostasses não ias à procura de mais :-)

    O disco dos Tides vai crescendo. Na primeira audição soaram-me bastante a Pelican, mas agora já lhes atribuo uma identidade própria ;-) Até é como dizes, se calhar até lembram mais Isis.

  2. PoisonGodMachine

    “Recomendado a fãs de Pelican, Red Sparowes e por aí fora, creio que não desiludirá também aos fãs de Isis ou Neurosis.”

    Dificilmente se ouve outra coisa por aqui…

    Colados dum raio!!! ;P

  3. ::Andre::

    crestfall: tens razão e essa é tal conclusão ;)

    poison: também tens razão, cada vez que faço uma “review” lá vêm os suspeitos do costume. as minhas desculpas :P

  4. ::Andre::

    Acabei de fazer uma review a um concerto de uma banda que nada tem a ver com Isis, pós-metal e etc :P