Ulver em 2010

Tour europeia a começar e álbum novo a terminar. Eis as datas:

03.feb Brew House Gothenburg
04.feb Kulturbolaget Malmö0
8.feb Volksbühne Berlin
10.feb Scala London
11.feb La Cigale Paris
12.feb 013 Tilburg
15.feb Théâtre de l’Alhambra Geneva
18.feb Teatro Espace Torino
19.feb Teatro Rasi Ravenna
20.feb A38 Budapest
21.feb Palac Akropolis Prague
22.feb Studio Krakow
23.feb Arena Vienna
26.feb Nosturi Helsinki

Comentários

Comentar
  1. Susana Quartin

    "Mãe, não queres ir passar uns dias a paris?" *olhinhos bambi* hahaha

  2. M@F

    Que tour manhosa, tipicamente centro-europeia. O manager olha para o mapa da Europa faz um círculo com Berlim bem no centro e termina com uns pontinhos à volta (cidades de passagem).
    Admito que exista pouca divulgação e promoção deste tipo de bandas no nosso país e logo por aí funciona como factor discriminatório. Agora excluir a Ibéria e programar uma data apenas no maior país da Europa Ocidental demonstra bem o que estas bandas pensam acerca do seu anonimato e da dedicação que muitos fãs nutrem por eles.
    Não me venham SÓ com justificações económicas…

  3. ::Andre::

    Sem ofertas não vêm, é óbvio. Nós (Amplificasom) adoraríamos, mas é um concerto que não se paga com bilheteira e no nosso caso é impossível. Já uma promotora grande também vê que não teria retorno e não estão para perder dinheiro. Talvez num festival fizesse sentido, mas todos nós conhecemos a falta de visão dos promotores deste tipo de eventos. Aliás, sabiam que os Isis já estiveram para vir a um festival desses que tem uma marca de cerveja como patrocinador? Pois…

  4. João Veiga

    epa… mais viagens ._. mas eles são europeus :( deviam compreender e ser muito amigos e querer visitar os sítios. Se quiserem até lhes ofereço estadia e comida! D:

    epa 12 de fevereiro..era esticarem mais um pouco e tocavam um dia antes do Roadburn :x "só" um pouco

  5. M@F

    O que vocês fizeram para trazer Isis foi a todos os títulos notável. Foi um concerto marcante para quem lá esteve, um feedback algo consensual. Acredito que ninguém trocaria aquela sensação de liberdade por qualquer festival carregado de «sponsors». Mas não sou nenhum purista inocente e nestes casos os orçamentos e cachets são vitais para a subsistência das viagens (o caso mais famoso até é o dos Mastodon em Portugal).
    Além disso apreciei bastante a sua honestidade, André, quando refere "a falta de visão dos promotores deste tipo de eventos" e a falta de coragem das grandes promotoras que "não estão para perder dinheiro".
    Gostaria de te colocar duas perguntas – a que tens o lógico direito de não responder se entenderes ser assunto do foro privado da amplificasom:
    Porque achas que um concerto de Ulver seria insutentável apesar dos aparentes sucessos que foram Earth, Zu ou Isis, só para referir alguns nomes? Bem sei que não há situações paralelas nestes casos mas…
    Como tencionam ultrapassar, enquanto jovem promotora, a excessiva dependência da bilheteira como suporte de despesas?

  6. Sludge

    Geneva parece-me muito interessante, quem sabe se nao irei vé-los, sou um grande apreciador desta banda.