"What You Dont Know Is Frontier" por Jorge Silva

“Eu tinha gostado do “Futurists…” dos Asva mas, este novo, pura e simplesmente adoro!!!
A música instrumental pode ter o condão de nos transmitir imagens quando bem feita e esta realmente transmitiu-me umas bem peculiares (atenção que a partir daqui as coisas tornam-se estranhas). Não sou muito de usar o termo épico por achar que ele é tantas vezes usado, e às vezes em contextos absolutamente exagerados, por isso, o primeiro termo que me veio à cabeça foi majestoso.

O primeiro tema transmitiu-me uma ideia de estar a atravessar um deserto na companhia de uns Earth do “HEX” mas mais pesados. Ironicamente, só depois de fazer esta associação é que me lembrei que o próprio “HEX” também gira em torno do conceito de fronteiras.

O segundo tema trouxe-me imagens de florestas do Novo Mundo envoltas em bruma, transmitiu-me uma sensação de descoberta, de chegada a algo profundo e ancestral. Veio-me à memória o filme “Novo Mundo” do Terence Malick (que eu nem gostei particularmente), aliás, acho que todo o álbum tem algo de cinematográfico.

O terceiro tema fez-me pensar num ocaso, no fim de algo. A chegada de uma civilização a uma fronteira e fim de outra que já lá se encontrava. O fim do tema torna-se progressivamente mais opressivo e violento como que a evocar aquilo esse extermínio.

O quarto e o último tema pega no ambiente do final do tema anterior e é o único que começa com um clima mais opressivo, de violência consumada, de como esta se tornou parte do quotidiano até se transformar num final elegíaco, como se a violência que presidiu à formação de algo trouxesse já, inerente em si, a queda daquilo que edificou.

Enfim, passei-me!!! Eu sei que não foram estas as ideias que estiveram por trás da composição destes temas mas, como o próprio Dahlquist diz, outras pessoas poderão ter leituras diferentes da dele.”

Comentários

Comentar
  1. Pedro Nunes

    Boa Jorge. Estou a ver que esse disco traz grandes ambientes… a ouvir brevemente.

  2. Crestfall

    Oh pás, não compreendo como é que o futurists vos passou um bocado ao lado… continuo a gostar mais.