Russian Circles: falta um mês!

blog poster

RUSSIAN CIRCLES + HELMS ALEE
16-04-2015, QUINTA (DATA ÚNICA EM PORTUGAL)
RCA CLUB, LISBOA
PORTAS 20:00
INÍCIO 21:00

Bilhetes (20€) à venda online na Amplistore e no RCA Club, Carbono Amadora, Carbono Lisboa, Glamorama, Flur e Vinilexperience.

Só falta um mês! Toda a info AQUI.

 

 

Amplitude 11.03

coverNovos discos de Ufomammut, Zu, Lightning Bolt e Wino & Conny Ochs prestes a rodarem por aqui. No entanto, nada de novo nos últimos dias: recuperei o V dos AMENRA (bom saber que estão em estúdio), o Jane Doe dos Converge, Der Freiwillige Bettler dos Urfaust e convidei assim o Tiago Dias para tomar conta deste espaço. O resultado é o texto maravilhoso que se segue, apreciem:

Matana Roberts – COIN COIN Chapter Three River Run Thee [Constellation 2015]
Ainda agora começámos. São 12 partes. Vamos na terceira. Cada qual difere da anterior. Cada qual está ligada à anterior. Chama-se COIN COIN e é a inadjetivável, inclassificável, tudo menos inominável, saga criada por Matana Roberts para e sobre a história de uma família, de uma região e de um país. Ouvir as três primeiras partes da sequência, ler textos sobre Selma e saber que o passado não é uma terra estrangeira nem sequer uma terra distante. Só para a memória. Essa é que é pequena, como a alma.

Matana Roberts criou três peças distintas. Todas elas perturbadoras à sua maneira. O terceiro capítulo será o que mais faz transpor uma raiva contida. Falamos de fantasmas. Ainda agora começámos. Malcolm X diz, no mesmo discurso que surge em river run thee, que o homem negro dos Estados Unidos “será mais justo quando se erguer e começar a proteger-se, independentemente de quantos pescoços tem de partir e quantas cabeças tem de rachar”. Não há pescoços partidos nem cabeças rachadas aqui. Estamos noutro domínio. Vamos na terceira.

O saxofone de Matana é a mais tranquila das presenças. São as vozes que inquietam. O ruído é ocasional. Irrelevante. São as vozes que perturbam. Posso jurar que oiço a palavra “portugueses” a dada altura e sinto-me culpado de imediato. Não consigo perceber o contexto. Não interessa. Interessaria, mas não consigo, logo não interessa. Sinto-me apenas culpado. De tudo. É tudo doloroso. É tudo inquietante. Matana Roberts deixou para trás o free jazz. Esqueçam a última frase. Matana tem como mote geral a frase “aprende as regras só para que as possas quebrar”. O free jazz não foi deixado para trás porque ele está aqui. É o mais curioso deste processo todo. O free jazz tem regras? Elas foram incorporadas para serem quebradas? E daqui para onde?

Há ruído, há canções, há vozes, há confusão. Há muita dor. Há muito desejo de liberdade. Como se é livre do que já livre? Por outro lado, como se liberta algo que é no seu âmago sobre uma prisão?

A dada altura perguntamo-nos se queremos prosseguir. É demasiado. Trop. Não há como lidar. Lidar. A questão não se prende com querer. Prende-se com ter de prosseguir. Matana parece estar só, mas não podia estar menos só. Passo do terceiro capítulo em sentido inverso para o segundo. Tenho logo o consolo do piano. O corpo descontrai. Saxofone. O piano. A bateria. Se do segundo para o terceiro Matana se cingiu à essência e agora? Agora, pergunto. Ainda agora começámos.

Russian Circles: “We’re planning to try some songs that we haven’t played in Europe before”

Homepage (Duplicate) (Duplicate)

It’s more rewarding to balance out the set with old songs that we’re comfortable with and new songs that still present a challenge to us. It keeps things interesting without being too much of a brain drain.

Os Russian Circles regressam a Portugal a 16 de Abril – toda a info aqui – e, a propósito, o Ponto Alternativo trocou algumas palavras com o baixista Brian Cook. A entrevista pode ser lida na íntegra aqui: PA’.

Bilhetes para Earth e para God Is Astronaut já disponíveis nas lojas de Lisboa

2015-03-10 15.11.38

Os bilhetes para a Amplifest Session com os Earth e também para o concerto de God Is An Astronaut estão já disponíveis também em Lisboa. Os pontos de venda são os seguintes:
– Carbono Amadora
– Carbono Lisboa
– Flur
– Glamorama
– Vinil Experience

Os bilhetes para Russian Circles e Mono continuam também à venda nas referidas lojas.
E, claro, os bilhetes para todos os eventos Amplificasom continuam disponíveis na nossa Amplistore – dando os vouchers aqui adquiridos direito também ao bilhete bonito.

 

 

Katabatic: o tema “Sisyphus” já tem vídeo

E pode ser visto aqui:

Não é demais relembrar que, em Maio, além de acompanharem os God Is an Astronaut em Lisboa, os Katabatic estarão no Dunk! Festival em Zottegem (Bélgica) ao lado dos Mono, Amenra, Caspian e muitos outros: www.dunkfestival.be/

Amplifest logo by Bürocratik

Amplifest_KWhile we work hard towards the 5th Amplifest edition, there’s something that needs to be shared with all of you now that the new logo is out there on the Earth posters: we wouldn’t be here without Bürocratik.

They’re the ones not only behind this beautiful site where we share these words but also the Amplifest page and now our new Amplifest logo.

We had an obvious goal: we wanted to redefine our branding by connecting the different worlds in our Ampliuniverse. Either it’s an Amplificasom show, an Amplifest edition/ initiative or an Amplimix compilation on every friday, the A now links it all leaving at the same time some space for each one to grow individually.
A_perfil_600x600_KSimply put, we believe that a brand is a promise to a customer. You’re not a “customer” and you’ll never be, you’re part of our family, but this is a way to tell you what you can expect from our events/ initiatives/ products/ services, a way to differentiate ourselves from all the noise that’s out there. Whenever you see the A, you know that you’re in good hands, you know that’s going to be good, you know that you’re buying something with a quality stamp on it.

Anyway, like the best logos around, with great style, personality and simplicity, Büro did what we were looking for and we can’t wait to start showing you what they have in mind.

You know, nobody will ever achieve anything worthwhile without help and we at Amplificasom/ Amplifest are eternally greatful for their continuous support and friendship since day one. Sometimes we feel we don’t deserve them, we just hope we do.

Thank you for everything, Bürocratik.

Amplificasom agencia: Enablers em Portugal

Lenny Gonzalez

Lenny Gonzalez

Estiveram no nosso primeiro concerto de sempre (10 de Novembro de 2006), estiveram no primeiro Amplifest (2011) e regressam agora, novamente associados à Amplificasom, para apresentar o novo trabalho The Rightful Pivot nos dias 11 e 12 de Março, Club de Vila Real (via Dedos Bionicos) e Musicbox Lisboa respectivamente. Apareçam que eles bem vos merecem.

Bandcamp
Facebook