Dead Neanderthals + Orthodox: a tour começa hoje

A tour dos Dead Neanderthals e dos Orthodox pela península terá uma data única em Portugal na próxima quinta feira. Toda a info sobre o concerto na Cave 45 aqui

DEAD NEANDERTHALS + ORTHODOX
29-01-2015, QUINTA (DATA ÚNICA EM PORTUGAL)
CAVE 45, PORTO
PORTAS 21:00
INÍCIO 21:30

Bilhetes (5€) disponíveis à porta.

.

“playing can get pretty intense up to the point where my drum kit gets covered in blood”

 

On that note, to what extent is Dead Neanderthals the music of body/flesh/muscle?

Rene Aquarius: The physical component is very important, especially for Prime. Playing can get pretty intense up to the point where my drum kit gets covered in blood (that actually happened during a gig in Rennes, France).

Otto Kokke: when playing Prime it’s all muscle.

Colin Webster: Extremely physical.

 

Entrevista aos Dead Neanderthals aqui: ATTN Mag.

A estreia em Portugal é já nexta quinta feira, no Cave 45. Toda a info AQUI.

 

orthodoxFINAL-FINAL-324x458

 

MONO + Helen Money: bilhetes já disponíveis nas lojas do Porto

2015-01-23 11.20.14
Os bilhetes para o concerto dos Mono no Porto estão já disponíveis nas lojas do costume: Hard Club, Louie Louie, Matéria Prima, Piranha e Bunker Store.

Os bilhetes para o concerto de Lisboa (tal como os de Russian Circles) já vão a caminho da capital e estarão disponíveis muito em breve – nós avisaremos quando assim for.

Entretanto, relembramos que os bilhetes online continuam disponíveis na Amplistore e, claro, também os Amplivouchers são trocados, à porta, pelo bilhete bonito.

Dead Neanderthals + Orthodox: falta uma semana

O 2015 da Amplificasom começa já de hoje a uma semana, dia em que a recém escavada Cave 45 receberá a estreia em Portugal dos Dead Neanderthals e também o regresso dos Orthodox.

Os Dead Neanderthals são ainda uma pérola escondida – mas, acreditamos, não por muito tempo. Ampliando a linguagem do free jazz até aos territórios extremos do grindcore, do metal e do noise, podemos olhá-los como uns Borbetomagus dos nossos dias – e o slogan ‘FUCK conventions and FUCK expectations’ outrora patente no seu website confirma-o. Tal como em Prime, o último disco, o duo holandês será acompanhado neste concerto pelo saxofonista britânico Colin Webster.

Quase como um pugilista que pratica os uppercuts em frente ao espelho, os Orthodox jogam contra o nome que ostentam. Essa negação da ortodoxia faz-se pela subversão dos cânones do doom metal – estilo a que os espanhóis injectam experimentos de jazz, de drone, e ainda usando ferramentas atípicas como os instrumentos de sopro ou a sua própria língua mãe. A evolução e metamorfose permanentes da banda têm-se reflectido também na sua formação: já foram um trio, já os vimos como quarteto, e agora são um duo de baixo/voz e bateria. Depois da estreia no Porto, em 2008, e da dose dupla em 2011 – para a primeira parte de Scott Kelly e, meses mais tarde, para o primeiro Amplifest – os Orthodox regressam para o primeiro evento Amplificasom de 2015.

DEAD NEANDERTHALS + ORTHODOX

29-01-2015, QUINTA (DATA ÚNICA EM PORTUGAL)
CAVE 45, PORTO
PORTAS 21:00
INÍCIO 21:30

Bilhetes (5€) disponíveis à porta.

Toda a info AQUI.

Nova malha de Urfaust!

VRDRBR @ Amplifest 2014 by Cláudia Andrade

VRDRBR @ Amplifest 2014 by Cláudia Andrade

No último Amplifest, apesar de tocar no Domingo, o Jim chegou no Sábado pois queria viver o fim-de-semana ao nosso lado. Se vocês soubessem como ficamos quando nos diz que o Willem não pôde vir por causa da filha.. Destroçados! Insistiu na hipótese, caso ela melhorasse, de ele vir no Domingo e inclusive já tinham o voo on hold, mas imediatamente lhe dissemos que no lugar dele, apesar de também no Amplifest sermos uma grande família, o melhor seria ficar perto da miúda. Assim foi. O próprio Willem ligou ao André, no Domingo de manhã, emocionado e agradecido.
O resto é história e vocês estiveram lá. Ficou a promessa que, se tudo correr bem, os Urfaust estarão na edição deste ano. E com malhas novas! Como esta Apparitions.

Mono + Helen Money

Poster by Münster Studio

Poster by Münster Studio

MONO + HELEN MONEY
5-05-2015, TERÇA
RCA CLUB, LISBOA
PORTAS 20:00
INÍCIO 21:00

Bilhetes (20€) já à venda online na Amplistore e muito em breve nas lojas Carbono Amadora, Carbono Lisboa, Glamorama e Flur.

Evento Facebook

Mitsuyo Miyazaki

Mitsuyo Miyazaki


Renunciando às palavras, a música dos Mono cresce a partir das mais primais emoções, de pedras basilares da circunstância humana como a fúria, a euforia, a perda ou a paixão violenta. É através de uma tempestuosa dança entre melodia e ruído que os japoneses desenham o caminho dos seus temas e, disco após disco, os Mono mantém uma relevância inabalável e inatingível. Depois dos concertos no Porto em 2010 e 2013, a Amplificasom volta a apresentar os Mono em Portugal, desta feita numa data dupla. Os dias 5 e 6 de Maio verão a banda subir aos palcos do RCA Club (Lisboa) e do Hard Club (Porto) para apresentar os dois aplaudidos álbuns lançados simultaneamente no ano passado — e que ouvimos em exclusivo no passado Amplifest: o luminoso The Last Dawn e o lúgubre Rays of Darkness.

As primeiras partes de ambas as datas estarão nas mãos da violoncelista norte americana Helen Money. Colaboradora habitual de nomes como os próprios Mono, Russian Circles ou Jarboe, Helen Money subverte a candura e o classicismo habitualmente associados ao seu instrumento, transformando-o numa pesada máquina de agressão.

Site Mono · Facebook Mono · Bandcamp Mono · Site Helen Money · Facebook Helen Money · Mono na Amplificasom

Few bands – those grounded in post-rock especially – could not have pulled this off with such ease and utter lack of pretence as MONO. In a word: epic. – Rock-A-Rolla

Se Mono é uma das provas-maior de que não são precisas palavras para haver uma música que nos toque, por outro lado, se se pudesse traduzir a escrita de poesia para a música, os japoneses seriam um belo soneto. – Ponto Alternativo

São das poucas bandas que deixam realmente a música falar por si: planos majestosos, melancólicos, torrentes de ruído preenchendo a alma como um pequeno furacão se atravessando à nossa frente. – Bodyspace

Mono’s real strength lies in their ability to immerse the listener completely in a blanket of feedback, and fragile melody. – Terrorizer

[Helen Money’s] raw, minimalist stylings make her the lo-fi Xasthur to Apocalyptica’s Dimmu Borgir bombast. – Decibel Magazine

Alison Chesley [aka Helen Money] brings her classical training on cello into realms occupied by heavy metal extremists and guitar deities. Nobody rocks a cello like Alison Chesley. – Chicago Tribune

Press: press@amplificasom.com (solicitação de credenciais de imprensa termina no dia 3 de Maio)
+ info: amplificasom@gmail.com

Mono + Helen Money

Poster by Münster Studio

Poster by Münster Studio

MONO + HELEN MONEY
6-05-2015, QUARTA
HARD CLUB, PORTO
PORTAS 20:00
INÍCIO 21:00

Bilhetes (20€) à venda online na Amplistore e nas lojas Hard Club, Louie Louie, Matéria Prima, Piranha e Bunker Store.

Evento Facebook

Mitsuyo Miyazaki

Mitsuyo Miyazaki


Renunciando às palavras, a música dos Mono cresce a partir das mais primais emoções, de pedras basilares da circunstância humana como a fúria, a euforia, a perda ou a paixão violenta. É através de uma tempestuosa dança entre melodia e ruído que os japoneses desenham o caminho dos seus temas e, disco após disco, os Mono mantém uma relevância inabalável e inatingível. Depois dos concertos no Porto em 2010 e 2013, a Amplificasom volta a apresentar os Mono em Portugal, desta feita numa data dupla. Os dias 5 e 6 de Maio verão a banda subir aos palcos do RCA Club (Lisboa) e do Hard Club (Porto) para apresentar os dois aplaudidos álbuns lançados simultaneamente no ano passado — e que ouvimos em exclusivo no passado Amplifest: o luminoso The Last Dawn e o lúgubre Rays of Darkness.

As primeiras partes de ambas as datas estarão nas mãos da violoncelista norte americana Helen Money. Colaboradora habitual de nomes como os próprios Mono, Russian Circles ou Jarboe, Helen Money subverte a candura e o classicismo habitualmente associados ao seu instrumento, transformando-o numa pesada máquina de agressão.

Site Mono · Facebook Mono · Bandcamp Mono · Site Helen Money · Facebook Helen Money · Mono na Amplificasom

Few bands – those grounded in post-rock especially – could not have pulled this off with such ease and utter lack of pretence as MONO. In a word: epic. – Rock-A-Rolla

Se Mono é uma das provas-maior de que não são precisas palavras para haver uma música que nos toque, por outro lado, se se pudesse traduzir a escrita de poesia para a música, os japoneses seriam um belo soneto. – Ponto Alternativo

São das poucas bandas que deixam realmente a música falar por si: planos majestosos, melancólicos, torrentes de ruído preenchendo a alma como um pequeno furacão se atravessando à nossa frente. – Bodyspace

Mono’s real strength lies in their ability to immerse the listener completely in a blanket of feedback, and fragile melody. – Terrorizer

[Helen Money’s] raw, minimalist stylings make her the lo-fi Xasthur to Apocalyptica’s Dimmu Borgir bombast. – Decibel Magazine

Alison Chesley [aka Helen Money] brings her classical training on cello into realms occupied by heavy metal extremists and guitar deities. Nobody rocks a cello like Alison Chesley. – Chicago Tribune

Press: press@amplificasom.com (solicitação de credenciais de imprensa termina no dia 3 de Maio)
+ info: amplificasom@gmail.com

Uma semana para Author & Punisher

ursuscover_550x550-520x520

 

Em estreia nacional e em data única, Author & Punisher subirá ao palco dos Maus Hábitos acompanhado por toda a sua (literalmente) pesada maquinaria. O concerto acontece no festival/ festa de anos “O Salgado faz anos… FEST!”, onde também actuarão dezenas de outros nomes (programa completo aqui). Tristan Shone abrirá o palco 1 (sala de espectáculos) às 22h30 em ponto – cheguem cedo!

 

Shone’s apocalyptic noise blends elements of industrial, doom, and dubstep, and contorts that mass into some chilling, unrecognizable form.
in Stereogum

Catch this one-man band live, it’s astounding to see Author & Punisher in all his glory.
in Metal Assault

“extremely loud, bass-heavy, powerful and industrial, calling to mind Godflesh-gone-‘roidal.
in MetalSucks

Site · Facebook · Videos · Bandcamp

HHY & The Macumbas: hoje em Coimbra e amanhã em Lisboa

Paulo Pimenta

A apresentação de Throat Permission Cut passa hoje por Coimbra (Salão Brazil, 22h30) , sendo a noite de amanhã a vez de Lisboa (Musicbox, 00h00). Diz o jornal Público sobre os HHY & The Macumbas e sobre estes concertos:

Os HHY & The Macumbas são um combo misterioso: apresentam-se em palco com máscaras e criam música sem centro definido, quais xamãs de vários tempos e proveniências reunidos num mesmo palco para, através de partículas dub, sopros jazz fantasmagóricos ou kraut-rock em modo voodoo haitiano, nos transportar para um outro lugar. Já os viram o público do Outfest, do Milhões de Festa, do Amplifest ou do Sonar. Quem não os viu, melhor será que aproveite a oportunidade agora oferecida. A viagem promete ser surpreendente e recompensadora.

E não temos como não concordar – é imperdível!

Para quem não puder mesmo estar presente, a RUC transmitirá o concerto desta noite em Coimbra; podem sintonizar a rádio em 107.9FM ou em http://emissao.ruc.fm.

 

3 meses para o regresso dos Russian Circles

6
2008, 2010, 2011, 2012, 2013 e o sexto concerto em Portugal do nosso trio preferido acontece já daqui a três meses no dia 16 de Abril. Data única no RCA Club, em Lisboa.

Toda a info e bilhetes clicando aqui.

No Amplifest 2013 foi assim:

Os Russian Circles estão cada vez mais irrepreensíveis.
in Ponto Alternativo

Finalmente, os Russian Circles fecharam o festival com uma actuação para a maior enchente que se viu naqueles dois dias, entregando uma chapada de mão fechada a todos quantos ainda se aguentavam nas pernas por força do riff e da pujança rítmica do seu baterista.
in Bodyspace

Dada a intensidade dos concertos, têm sempre casas cheias à sua espera e desta vez não foi excepção. A concentração de pessoas na Sala 1 nos momentos que antecederam o concerto espelhava bem o quanto se ansiava por um concerto de uma banda tão adorada por tantos e que, ainda por cima, tem disco novo na calha. É sempre um privilégio poder ver os Russian Circles em palco, especialmente com uma setlist escolhida a dedo para a ocasião. Entre uma animalesca bateria em Schipol ou uma arrebatadora Harper Lewis, tocamos em Memorial, o novo álbum, através de faixas já dadas a conhecer. Ouviu-se Deficit e Ethel, carregadas por uma atmosfera mais sombria e arrastada. Mas a grande surpresa estaria reservada para o encore, quando a rainha Chelsea Wolfe sobe ao palco para cantar o tema que dá nome ao disco, que resultou num dos momentos mais bonitos que as três edições do Amplifest já presenciaram. De olhos brilhantes veneramos quatro enormes músicos numa união perfeita, comovente, arrebatadora.
in Arte-Factos

The band has being growing not only in recognition but also musically. Presenting their new record, Memorial, the band gave, as always, an energetic and gripping show with the Portuguese public supporting the power-trio.
in Cvlt Nation

Novo Ufomammut: Ecate

ecateO sétimo disco dos nossos italianos preferidos sai no dia 30 de Março via Neurot. Ecate é o nome e o press-release conta-nos o seguinte:

The Italian power trio, known for their almighty heavy capabilities and psychedelic prowess, have as many discernible similarities as they do differences to their formative roots. Never pandering to the easy classification of doom, Ufomammut charge their sludgy output with inimitable energy and wild, wayfaring ambition which is matched by the tight-knit musical understanding that flows telepathically between the three members; Poia, Urlo, and Vita.

On their latest album, Ufomammut take a confident step forward with their craft, orchestrating atmospheric processions that take the six songs on the album to places as of yet uncharted, the only guide being that of Ecate (Hecate in English), the three-sided goddess who moves between the realms of the living, the dead, and the gods. Traditionally associated with matters of the liminal (statues of her can be found at crossroads and city walls, where she would be believed to either bless or curse travellers), she represents the link between the past, the present and the future in a way which resonates true with Ufomammut, and with the name of the band, too.

Tracklist:
1. Somnium
2. Plouton
3. Chaosecret
4. Temple
5. Revelation
6. Daemon

Teaser

Depois do Amplifest 2012 e do Milhões de Festa 2013, que 2015 os traga novamente a Portugal!

HHY & The Macumbas iniciam a apresentação nacional de ‘Throat Permission Cut’ de hoje a uma semana

As primeiras duas datas de apresentação de Throat Permission Cut, disco de estreia dos HHY & The Macumbas são já no próximo fim de semana. A 16 e 17 de Janeiro, respectivamente, o Salão Brazil (Coimbra) e o Musicbox (Lisboa) receberão a fumarenta cerimónia voodoo do colectivo portuense.

A data portuense, previamente anunciada para o dia 21 de Janeiro, será reagendada – daremos notícias em breve!

Até já!

 

 

Process of Guilt no Burning Light Fest: falta um mês

É já de hoje a um mês que os Process of Guilt sobem ao palco do RCA Club, para um concerto que fará parte do Burning Light Festival. A acompanhá-los estarão, entre outros, os Oathbreaker e os The Black Heart Rebellion, ambas parte do colectivo Church of Ra.

Os Process of Guilt entram em acção às 20h00 do dia 8 de Fevereiro (domingo).

 

 

Amplificasom agencia Author & Punisher no Porto

ursuscover_550x550-520x520
A estreia nacional do engenheiro mecânico Tristan Shone aka Author & Punisher tem lugar este mês, mais propriamente no Sábado dia 24, às 22:30, no Maus Hábitos. Data única em Portugal!

Shone’s apocalyptic noise blends elements of industrial, doom, and dubstep, and contorts that mass into some chilling, unrecognizable form.
in Stereogum

Catch this one-man band live, it’s astounding to see Author & Punisher in all his glory.
in Metal Assault

“extremely loud, bass-heavy, powerful and industrial, calling to mind Godflesh-gone-‘roidal.
in MetalSucks

Site · Facebook · Videos · Bandcamp · O Salgado faz anos… FEST!

Continuamos a amplificar, o ano ainda mal começou e a nossa lista de eventos já vai assim. Fiquem por aí, novas confirmações ainda este mês.

TOP 2014

2015
Obrigado a todos (quase uma centena) que participaram. As listas de final do ano são isto: partilharmos o que ouvimos, descobrirmos os discos que nos passaram ao lado e, acima de tudo, desfrutá-la. Os vossos/ nossos (sim, também participamos) favoritos de 2014:

1 – Swans – To Be Kind
2 – YOB – Clearing the Path to Ascend
3 – Have a Nice Life – The Unnatural World
4 – Earth – Primitive and Deadly
5 – Ben Frost – A U R O R A
6 – Sun Kil Moon – Benji
7 – Bohren & Der Club Of Gore – Piano Nights
8 – Mono – The Last Dawn / Rays Of Darkness
9 – Godflesh – A World Lit Only By Fire
10 – Pallbearer – Foundations of Burden
11 – Old Man Gloom – The Ape Of God
12 – Scott Walker & Sunn O))) – Soused
13 – Mamiffer – Statu Nascendi
13 – Wovenhand – Refractory Obdurate
14 – NOTHING – Guilty of Everything
14 – THOU – Heathen
15 – Sharon Van Etten – Are We There
16 – Marissa Nadler – July
17 – Run the Jewels – RTJ2
18 – Aphex Twin – Syro | A Silver Mt. Zion – Fuck Off Get Free We Pour Light On Everything
19 – Sunn O))) & Ulver – Terrestrials
20 – Mogwai – Rave Tapes + Todd Terje – It’s Album Time
21 – Menace Ruine – Venus Armata | Wrekmeister Harmonies – Then It All Came Down
22 – Opeth – Pale Communion | Wreck and Reference – Want
23 – Angel Olsen – Burn Your Fire For No Witness
24 – FKA Twigs – LP1 | Jakob – Sines
24 – HHY & The Macumbas – Throat Permission Cut
25 – Mirel Wagner – When the Cellar Children See the Light of Day

É giro perder algum tempo e verificar que no top 5 estão 3 bandas que passaram no Amplifest (no total de 6 em todo o top – já agora, Downfall of Gaia surgiria no 27º lugar e Pharmakon no 32º) o que, sem vaidade alguma, podemos dizer que antecipamos o ano no alinhamento desta última edição. Encontramos ainda o Aaron Turner (Mamiffer e Old Man Gloom) e os Sunn O))) com dois discos cada no top 20, tal como vocês desejamos que passem cá em breve; o terceiro lugar dos Have a Nice Life só surpreende quem não os conhece; a nacionalidade é um fronteira que na música não existe, apesar de encontrarmos apenas uma banda portuguesa (o debut dos Macumbas) tínhamos todos várias nos nossos tops (Sensible Soccers, Black Bombaim, Mão Morta, Dead Combo..); a editora Profound Lore destaca-se com três discos, mas seguem-se várias com dois (Mute, SIGE, Southern Lord, JAGJAGUWAR, SubPop); Justin Broadrick repete a presença no top em dois anos seguidos, 2013 com Jesu e agora com Godflesh…Já agora, se tiverem curiosidade, este foi o vosso top de 2013.

Um excelente 2015 para todos nós \m/