Peter Lindgren deixa os Opeth

“It is with sadness I announce that Opeth and I are going separate ways after almost 16 years. The decision has been the toughest I’ve ever made but it is the right one to make at this point in my life.The reason behind this is that I feel that I simply have lost some of the enthusiasm and inspiration needed to participate in a band that has grown from a few guys playing the music we love to a world-wide industry. The love of music has always been, and still is, our motive, but I personally have lost something along the way. The massive amount of touring has taken its toll. Opeth has worked extremely hard to get where we are right now and in order to persist and maintain the quality of the music, it is necessary that we continue to work hard and always stay focused. But in doing so, it means that we nowadays spend 18 or 19 months on the road and I don’t feel the same enthusiasm for the upcoming world tour that I have felt earlier. I have come to a point where I realize I won’t be able to give the band 100%, and from both sides this will not be good enough for what Opeth stands for. I will always love playing, listening to, and living music, but I will do it differently from now on.These years has easily been the best of my life and I will always cherish the memory of what we have experienced together. I would like to thank the band, our management, record label people, all the bands I’ve made friends with for everything. Most of all, I would like to thank the fans from the depth of my heart for the support throughout the years.I wish Mikael, Martin, Per and Axe all the best and I am confident they will continue doing the greatest music in the world!! /Peter”

Fredrik Akesson (ex. Arch Enemy, Krux) é o substituto.

Comentários

Comentar
  1. Crestfall

    O_o É pena que ele assim tenha decidido, da formação original só resta o Akerfeldt… Parece que a vida na estrada não é para todos, andar em constantes tours e o caraças. Eles cresceram muito nos últimos tempos, solicitações para aqui e para ali, deve querer ter mais tempo para a familia, acalmar. Boa sorte para o futuro.

  2. PoisonGodMachine

    Não sei se já é do conhecimento da malta; entretanto o baterista de Pain Of Salvation também já se vai pôr ao fresco, mais ou menos pelos mesmos motivos… (www.painofsalvation.com)

    O que vale é que eles estão na Suécia, onde se tropeça em bons músicos!! =P

  3. Crestfall

    Também não sabia dessa :-s

    Ehehe não faltam bons músicas e boas ideias.

  4. ::Andre::

    O Akerfeldt é os Opeth mas…veremos como se safam eles sem o Lindgren. E, já agora, é provável que o mesmo Lindgren não faça mais nada de jeito na sua carreira.

  5. Filipe

    Fiquei muito triste!A minha banda favorita perde um dos seus pilares!Esperemos que n percam qualidade tenho esperança que, o substituto ja tem creditos firmados!Que venha o proximo cd!

  6. the_Gathering

    Por um lado ate e bom; assim pode ser que os Opeth nao se tornem nos proximos Dream Theater: substituir a intensidade pelo virtuosismo abandonando pura e simplesmente a estética metaleira para se afundarem cada vez mais num jazz rock polido e com uma alma que de rock ja tem pouco.

    – Pela graça de Ziltoid, o Omnisciente

  7. the_Gathering

    Pá, jazz rock é praticamente o rock progressivo dos anos 70; e so uma questao de nomenclatura: como ja te disse, isso do nome “progressivo” não é uma coisa la mt facil de definir sem bitaites de teoria musical.
    Agora metal… tá bem…lá por se meterem umas guitarras potentolas não faz de uma coisa “metal”, nao vejo pura e simplesmente uma atitute na banda equivalente à tag que lhes dão.
    Mas o que critiquei na realidade foi o facto de a composição nunca ter mudado praticamente nada nestes anos todos: dentro de todos os floreados nunca é preciso muito tempo para se dizer “Pimbas! é DT…”; como referiste, Devin Townsend também não será propriamente o arquétipo do dinamismo, mas, ao contrario dos outros, ele sim sabe meter a puja e os floreados em momentos que ainda nos surpreendem, com a pose certa e sem nunca nunca se vender ao povo.

    Bem, fundamentalmente discordo é da atribuição das tags “metal”, “progressivo” e “pós” que se dão às coisas.

    Mas o que me poe mesmo fulo, é ver os DrTh levados ao colo enquanto o DvTw continua desconhecido pela maioria – até na comunidade cavernas. É que enquanto uns são 5 manfios virtuosos que tem OBRIGACAO de produzir boa musica, o outro é um unico individuo que toca TUDO, grava TUDO e produz TUDO e não o vejo para aí escarrapachado como o herói da malta – e isso tá malllllll. MALLLLL!

  8. Crestfall

    Oh Gatherinoso, levados ao colo por quem? Vais dizer que Dream Theater não é metal? :-s O que é isso da atitude metal? É evidente que eles compõem sempre dentro do mesmo esquema, incorporando pontualmente alguns elementos novos. Agora se te cansaste do som da banda, tudo bem, acontece :-P

    As tags são um mal necessário… SEnão era tudo muito genérico.

  9. PoisonGodMachine

    Ser desconhecido pela maioria não é necessariamente mau.
    A maioria costuma ser um bicho muito estranho…

    Mas o Gathering é mais! =P